Experiência dos colaboradores nas empresas vai ser estudada em 80 países. Portugal é um deles

  • Ricardo Vieira
  • 7 Maio 2019

80 países vão participar do Índice de Medição da Experiência de Empregado. Consultora responsável pelo estudo desafia empresas portuguesas a participarem.

Identificar os momentos e eventos que apresentam maior e menor impacto nos colaboradores, o que é realmente importante e quais os momentos que são especialmente críticos, são parâmetros que o IMEX – Índice de Medição da Experiência de Empregado vai medir, pela primeira vez em Portugal.

Mas o que analisa este índice? Por exemplo, no IMEX lançado em Espanha anteriormente, a Lukkap percebeu que no percurso de um empregado, há sete momentos-chave: integração, dia-a-dia, acompanhamento vital, momento formal, acompanhamento profissional, gestão da mudança e desvinculação.

Se há algo que marca o dia-a-dia dos colaboradores é o relacionamento deles com o chefe. De facto, se prestarmos atenção aos dados, tanto o ambiente de trabalho e o trabalho em equipa quanto à agilidade em responder às necessidades específicas, são factos altamente valorizados, mas o tempo de qualidade dedicado a eles pelo chefe, é o que faz com que a experiência seja mais ou menos valorizada”, explicam.
O IMEX 2018, elaborado apenas em Espanha, mostra que o tamanho da empresa não é determinante para a felicidade dos colaboradores, mas “se prestarmos atenção ao setor profissional, aí sim, existem grandes diferenças na experiência dos empregados”, é referido no documento. Onde são os funcionários do setor da “energia e recursos naturais” os que melhoram pontuam a empresa onde trabalham.

“Millennials não têm de ser o centro das atenções”

Nesta análise, a mesma consultora diz que “os millennials não têm de ser o centro das atenções”. “Esta geração não é motivada nem por uma série de condições que lhes são fornecidas, pois verifica-se que tem um vínculo à sua empresa, inferior às restantes gerações, o que conduz a uma mobilidade a cada, aproximadamente, 2-3 anos, motivo pelo qual é conveniente refletir se devemos pôr o foco no compromisso de um grupo de colaboradores cuja motivação não é desenvolver uma carreira na mesma empresa”, afirmam no documento.

Mas há mais. “Quase 40% dos colaboradores espanhóis estão a viver um momento de pouco desafio e de uma certa rotina (38,2%). Um sentimento que interfere diretamente na experiência”.

Até 15 de maio, a consultora Lukkap, que vai lançar o IMEX em 80 países, está a incentivar a participação das empresas. Depois de formalizar a inscrição, que é gratuita, a empresa recebe o questionário a ser preenchido pelos colaboradores.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Experiência dos colaboradores nas empresas vai ser estudada em 80 países. Portugal é um deles

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião