O “boom” do coworking. Em Madrid e Barcelona estes espaços nascem como cogumelos

No ano passado, de acordo com a consultora JLL, cerca de 11% dos escritórios alugados pelas empresas de Espanha corresponderam a este tipo de espaços.

Os espaços de coworking estão um pouco por todo o mundo a surgir a ritmo acelerado. As ruas veem edifícios transformarem-se ou nascerem como espaços flexíveis, sobretudo vocacionados para empresas mais pequenas ou startups e que têm, normalmente um ecossistema bem diferente dos tradicionais escritórios de empresas.

Nas zonas comuns, as pessoas das várias empresas cruzam ideias e, muitas vezes, nascem oportunidades dessa mesma partilha. Em Espanha, sobretudo em Madrid e Barcelona, a tendência mundial dos novos espaços de coworking veio para ficar, avança o Cinco Días (acesso livre, conteúdo em espanhol).

De acordo com a consultora JLL, no ano passado, cerca de 11% dos escritórios alugados pelas empresas de Espanha corresponderam a este tipo de espaços. Madrid e Barcelona são já duas das cidades que registam o maior crescimento. “Em Madrid, é provável que vejamos os espaços de coworking multiplicarem por dez”, afirma José Miguel Setién, diretor da JLL.

Já no quadro europeu, alguns estudos preveem que, em 2022, haja o dobro de espaços deste género do que há atualmente.

Mas quem são os protagonistas do coworking?

A marca Regus tem o papel principal no que toca a espaços flexíveis, com uma cota de mercado de 19% em Madrid e 20% em Barcelona. A sua empresa matriz é a International Workplace Group (IWG), que está presente em mais de 100 países — um deles Portugal — e está avaliada em mais de 30 milhões de euros.

A IWG lançou, também, a empresa Spaces, que tem sede na Holanda, e que controla, em Madrid, 9% do mercado. Em junho, a Spaces deverá incluir nas suas localizações Portugal (Lisboa), lê-se no site da empresa.

Quando se fala em protagonistas do mercado de coworking é quase impossível não falar, contudo, do americano WeWork, que, em poucos anos, se converteu num dos gigantes deste negócio e conseguiu uma avaliação de 40 milhões de euros.

Ainda no mês passado, o Financial Times (acesso pago, conteúdo em inglês) escrevia que a empresa tem captado a atenção de novos clientes do setor graças aos espaços de estilo “chique industrial e com máquinas de cerveja à pressão”, tornando-se já o maior player do mercado em Londres e Nova Iorque.

Em Espanha, o WeWork está a chegar perto dos valores do Reglus. Atualmente detém 19% do mercado em Barcelona e 12% em Madrid. Em Portugal, não existem espaços de coworking desta marca.

Finalmente, com identidade espanhola, surge a Utopicus, que tem planos para crescer neste mercado. A empresa imobiliária pretende investir 30 milhões até ao final do ano, de modo a chegar aos 13 espaços em Espanha.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O “boom” do coworking. Em Madrid e Barcelona estes espaços nascem como cogumelos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião