WeWork gastou 2,5 mil milhões em expansão internacional

Rede de espaços de cowork expandiu rede mundial e já se tornou referência em cidades como Londres ou Nova Iorque.

A WeWork, empresa que cria e implementa espaços de cowork a nível internacional, investiu 2,5 mil milhões de dólares na expansão das operações no ano passado, escreve esta quarta-feira o Financial Times. O jornal escreve que a empresa tem captado a atenção de novos clientes do setor graças aos espaços de estilo “chique industrial e com máquinas de cerveja à pressão”. Em 2018, a rede cresceu em 100 novos espaços e estava, no final do ano, em 425 localizações.

De acordo com os documentos da empresa analisados pelo jornal, a WeWork terá gasto esse valor em “atividades de investimento”, e tornou-se já o maior player do mercado em Londres e Nova Iorque.

O crescimento significou, ainda assim, que a despesa com “crescimento e desenvolvimento de novos mercados” triplicasse em apenas um ano para 477 milhões em 2018, enquanto os custos com vendas e marketing ficaram nos 379 milhões, mais 164% do que no ano anterior.

O maior investidor da WeWork é o japonês Softbank. Na última ronda de investimento, o fundo diminuiu o valor investido, que seria de 16 mil milhões, para apenas dois mil milhões.

A última ronda de investimento atribuiu à WeWork a avaliação de 47 mil milhões de dólares, 16 vezes mais do que a IWG, o seu maior concorrente.

Comentários ({{ total }})

WeWork gastou 2,5 mil milhões em expansão internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião