CE diz que políticas de Portugal para renováveis “parecem insuficientes” para cumprir metas

Bruxelas diz que políticas nacionais "aparentam ser insuficientes" para cumprir metas europeias para as renováveis. Ambiente lembra que o país já tem 90% da meta cumprida e que vai reforçar 'mix'.

A Comissão Europeia (CE) colocou Portugal no conjunto de 11 Estados membros cujas políticas de promoção de energias renováveis atualmente em vigor “parecem insuficientes para cumprir a trajetória indicativa” que levará ao cumprimento das metas para 2020 definidas na Diretiva da Energia Renovável. Apesar de reconhecer que a economia portuguesa “cumpriu ou excedeu” as metas no período de 2017-2018, Bruxelas não dá como certo que o mesmo se verifique em 2019-2020.

Apesar da preocupação manifestada pela Comissão Europeia no quarto relatório sobre o Estado da União da Energia, o Ministério do Ambiente e da Transição Energética (MATE) assegurou ao ECO estar confiante que o objetivo definido para Portugal até 2020 será cumprido, recordando que o país já trilhou “cerca de 90%” da meta para 2020 — ou seja, que a energia proveniente de fontes renováveis seja responsável por 31% do consumo final bruto de energia do país.

Em 2017, a incorporação de fontes renováveis de energia no consumo final bruto de energia situou-se nos 28,1% (o 7º valor mais elevado da UE), verificando que está 0,8 p.p. acima da trajetória indicativa prevista para o cumprimento da meta, fazendo com que Portugal tenha já alcançado cerca de 90% da sua meta para 2020″, avançou fonte oficial do MATE ao ECO. “Para além do mais, em 2019 e 2020 vai haver mais potência renovável a entrar no nosso mix energético do que a que entrou em 2016-2018, pelo que estamos confiantes no cumprimento das metas para 2020″, assegurou.

A Comissão Europeia divulgou esta semana o quarto relatório sobre o Estado da União da Energia, documento que serve para fazer um ponto de situação à transição da economia europeia para um modelo ambientalmente mais eficiente. No relatório deste ano, Bruxelas salienta que desde 1990 “o nível de emissões tem decrescido em todos os setores económicos menos nos transportes” e que a UE28 já conseguiu reduzir a relação de dependência antes existente entre crescimento económico e maiores níveis de consumo energético. “Entre 1990 e 2017, a economia da UE cresceu 58% enquanto as emissões decresceram 22%”, avança o documento.

Ainda assim, alerta o relatório, “ainda é necessário intensificar esforços para atingir as metas de eficiência energética de 2020”, sobretudo na área dos transportes, tanto rodoviário como na aviação, únicos setores que apresentam hoje maiores níveis de emissões do que em 1990 [ver tabela em baixo]. “O impacto positivo das políticas de eficiência (e, de forma mais limitada, o impacto positivo de uma transferência modal nos transportes) foi superado pelo aumento da atividade de transporte e pela baixa utilização da capacidade no transporte rodoviário de mercadorias”, reflete a CE.

No setor dos transportes, o consumo de energia e as emissões diminuíram entre 2007 e 2013, mas estão agora mais ou menos nos níveis de 2005.

Comissão Europeia

Fourth report on the State of the Energy Union

De acordo com os dados compilados no relatório do Estado da União da Energia, as emissões de gases poluentes pelo setor do transporte rodoviário cresceu quase 20% desde 1990, para 931 milhões de toneladas anuais, uma subida expressiva mas ainda assim bastante aquém da registada pela aviação internacional, cujo nível de emissões cresceu 115% no mesmo período, muito por culpa da ‘explosão’ da procura pelo transporte aéreo.

Apesar de a aviação ser um setor cada vez mais eficiente em termos de emissões medidas por passageiro transportado, certo é que o crescimento da atividade tem acarretado subidas expressivas no total de gases expelidos para a atmosfera por cada companhia aérea. Veja-se por exemplo o caso da portuguesa TAP: o total de emissões da transportadora cresceu 18% desde 2015 — de 11,6 milhões de toneladas para 13,7 milhões de toneladas em 2018 –, valor a que a companhia contrapõe apontando uma melhoria de 13,5% no desempenho ambiental, calculado em emissões de CO2 por passageiro.

O caso português

Ainda sobre o relatório europeu, e a propósito da inclusão de Portugal como um dos países cujas políticas podem ser “insuficientes” para cumprir o objetivo de 2020, o MATE apontou ao ECO que “Portugal tem a 5.ª meta mais ambiciosa do conjunto dos 28 países da União Europeia” e que é intenção do Executivo “continuar a apostar nas energias renováveis nas suas diversas vertentes, numa lógica de descarbonização da oferta e procura de energia, em paralelo com a promoção da eficiência energética”.

De facto, o próprio relatório da CE acaba por reconhecer isso mesmo, realçando a dado passo que “estão em curso várias ações em toda a UE” neste campo, como “os novos leilões de energias renováveis anunciados por vários estados membros, incluindo a França, Holanda e Portugal”.

Questionada sobre estes leilões, fonte oficial do ministério diz ao ECO que os mesmos devem ser lançados ao longo deste ano para “a atribuição de capacidade de receção na rede para projetos renováveis”. Numa primeira fase estes leilões “serão dirigidos a projetos de energia solar” e “terão em conta as metas de energia para 2030”.

“Nesta fase estão a ser elaborados os regulamentos e regras para os leilões, em paralelo com as necessárias alterações legislativas para o efeito. O primeiro leilão está previsto para o final de junho ou inicio de julho, estando previsto tornar público os regulamentos e regras com a antecedência necessária para que o promotores possam ter conhecimento e participar no leilão nas devidas condições“, concluiu o MATE.

A evolução das emissões por setor económico desde 1990:

Fonte: Comissão Europeia. Em milhões de toneladas de CO2 equivalentes.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

CE diz que políticas de Portugal para renováveis “parecem insuficientes” para cumprir metas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião