O novo espaço de cowork de Lisboa é da Auchan. E totalmente gratuito

No piso superior da loja My Auchan na Avenida da República, a marca criou um espaço de cowork totalmente gratuito, que oferece wi-fi, sala de reuniões e ainda espaço de refeições.

A Auchan Retail Portugal decidiu conciliar a fome com as horas de trabalho e criou um espaço de cowork totalmente gratuito, no piso superior da loja My Auchan na Avenida da República. Com uma área de 130 m2 e com uma vista privilegiada para uma das principais artérias da cidade, este cantinho de trabalho é de acesso livre, oferece wi-fi, zona de refeições e uma sala para reuniões individuais.

Quem passa no número 59 da Avenida da República, não imagina que, no piso superior da loja My Auchan daquele número, está um “projeto moderno, a pensar nas pessoas mais jovens“. A entrada é ainda mais discreta: o acesso faz-se pelo interior da loja, numa porta localizada depois da zona da padaria. Aí, as escadas levam-no ao piso superior.

Na sala de trabalho, a mesa do centro tem capacidade para quase 20 pessoas. Há pequenas mesas individuais, uma sala para chamadas telefónicas, uma sala para reuniões e ainda uma zona de refeições com micro-ondas, balcão de cozinha e máquina de snacks. Caracterizado por Rui de Carvalho, responsável da My Auchan, como um “espaço acolhedor e sem luxos“, é o primeiro conceito do género criado pela marca no país. E o primeiro gratuito em Portugal.

A ideia, explicou, passa por “inserir a marca nas comunidades locais”, ao mesmo tempo que se tenta conciliar a natureza deste projeto com as necessidades das pessoas. Os espaços vão ainda funcionar como centros de formação internos, de forma a possibilitar aos trabalhadores aplicar os conhecimentos depois na loja, localizada no piso inferior. “Tentamos sempre fazer qualquer coisa inovadora“, disse Rui de Carvalho, esta manhã aos jornalistas.

“Disponibilizamos todas as infraestruturas e serviços necessários para que este local esteja adaptado às necessidades dos seus utilizadores, já que foi pensado para jovens empreendedores, profissionais liberais, startups e, obviamente, para o público em geral. Este é um projeto inovador pelo seu livre acesso e pretendemos que se torne num espaço de networking entre os seus utilizadores”, referiu.

30 lojas My Auchan até ao final do ano

Até ao final do ano, a marca pretende abrir 30 lojas My Auchan, com áreas entre os 300 e os 400 m2, podendo haver uma ou outra exceção, adiantou o responsável. Com isto, garante ser possível criar entre 12 a 15 postos de trabalho por cada nova unidade. A loja da Avenida da República é a 11.º loja com este conceito, sendo que a primeira foi inaugurada a 27 de março do ano passado. “Até agora o balanço tem tido extremamente positivo. A opinião de quem nos visita é o maior reconhecimento“, disse.

Este tipo de loja oferece mais de seis mil referências de produtos, sendo que cerca de 1.000 são de marca própria. “O conceito destas unidades é o de lojas de bairro que respondem às necessidades dos consumidores de terem perto de casa uma loja onde podem encontrar uma oferta alargada de produtos, de forma muito mais rápida e aos melhores preços“, explica a empresa em comunicado.

Cada uma destas lojas My Auchan oferece wi-fi e um espaço digital “onde o cliente pode fazer uma pausa, carregar o telemóvel, aceder ao site da marca e completar as suas compras, e ainda levantar as compras feitas online”.

Outra das particularidades destas unidades são os pontos pick-up, que permitem ao consumidor comprar um artigo de outra marca, de qualquer setor, e levantar nas lojas My Auchan. E tudo através de uma parceria com a Chronopost. “Há alturas do ano com imensa procura. Há dias em que temos centenas de entregas“, disse Rui de Carvalho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O novo espaço de cowork de Lisboa é da Auchan. E totalmente gratuito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião