Fusões e aquisições movimentam 2,9 mil milhões. Imobiliário lidera, mas perde terreno

As operações de fusões e aquisições cresceram 31,2% nos primeiros quatro meses do ano, em Portugal. Já os investimentos de venture capital dispararam 189%.

O mercado de fusões e aquisições continua a crescer em Portugal. Nos primeiros quatro meses do ano, movimentou 2,9 mil milhões de euros, um crescimento de mais de 30% face ao período homólogo. As operações do setor imobiliário continuam na liderança, mas perderam terreno, com a tecnologia a destacar-se.

O mercado de fusões e aquisições de Portugal cresceu 31,2% em termos de volume entre janeiro e abril, em comparação com igual período do ano passado, de acordo com o relatório mensal de mergers and aquisitions (M&A) da Transactional Track Record. Mas em compensação foram celebrados menos negócios. Nesse período de tempo foram anunciadas 99 operações no país, uma quebra de 12,4%.

O crescimento do mercado de fusões e aquisições (M&A) foi apoiado pelos 985,8 milhões de euros movimentados por 15 operações que envolveram empresas portuguesas no mês de abril, que permitiu assim elevar para 2,9 mil milhões o montante acumulado desde o início do ano.

Movimentos de M&A no último ano

Fonte: TTR – Transactional Track Record

O setor imobiliário continua a liderar os movimentos de M&A, mas apresentando uma tendência de quebra que está a ser compensada pelo crescimento das operações no setor de tecnologia. As 21 operações registadas desde o início do ano no setor imobiliário ficaram 13% abaixo do registado nos mesmos meses do ano anterior. Já no caso da tecnologia, foi registado um crescimento de 29%, com 18 operações desde janeiro.

Quanto à proveniência do investimento, Espanha foi o país mais ativo. Do total de 46 negócios de aquisição de empresas portuguesas por estrangeiras, 19 foram espanholas. Oito destas operações tiveram como alvo o mercado imobiliário, que continua como o alvo principal das empresas estrangeiras, incluindo também cinco aquisições realizadas por empresas britânicas.

Se em número de operações Espanha foi líder, em termos de volume de investimento o mesmo não aconteceu. O país vizinho investiu uma parcela de 226,4 milhões de euros de um total de 1,77 mil milhões de euros que tiveram como alvo investimentos em Portugal. Tanto Reino Unido, com 360 milhões de euros em investimentos, como França, que ultrapassou a marca dos mil milhões, superaram os investimentos dos vizinhos espanhóis no país.

No movimento transfronteiriço com origem em Portugal, houve 13 empresas portuguesas a realizarem aquisições no mercado externo.

Comportamento por setores

Fonte: TTR – Transactional Track Record

O relatório indica ainda que o venture capital “segue em alta” em Portugal. Num total de 24 operações realizadas desde o início do ano, o investimento ascendeu a 95 milhões de euros. O venture capital disparou, assim, 189% face a igual período de 2018, tendo em conta os montantes revelados para 20 dessas transações. Os fundos de venture capital tiveram como alvos preferidos no ano os segmentos de Tecnologia, 15 operações, e Internet, cinco.

Neste segmento é destacada a ronda de financiamento de série A no valor de oito milhões de euros fechada pela startup portuguesa da área da saúde Sword Health, liderada pela Khosla Ventures. Com o investimento, a Sword Health pretende reforçar a expansão nos Estados Unidos da América e desenvolver as capacidades de engenharia do seu produto.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fusões e aquisições movimentam 2,9 mil milhões. Imobiliário lidera, mas perde terreno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião