Montepio avança com negociações para fusão entre Finibanco e BNI em Angola

Instituições querem atrair "a participação de parceiros estratégicos internacionais" para o negócio, "contribuindo assim para a consolidação do sistema bancário e financeiro angolano".

O Banco Montepio deu arranque a negociações para a fusão entre o Finibanco Angola e o angolano Banco de Negócios Internacional (BNI), estando em conjunto com os acionistas desta última instituição “a tentar atrair a participação de parceiros estratégicos internacionais” para a operação. Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o Montepio informa que “as autoridades regulatórias angolanas e portuguesas” já foram informadas do processo.

“A Caixa Económica Montepio Geral, caixa económica bancária, S.A. (Banco Montepio) informa que a sua participada Montepio Holding, SGPS, S.A. iniciou negociações com acionistas do Banco de Negócios Internacional, S.A. (Angola) com vista a uma fusão entre o Finibanco Angola S.A. e o Banco de Negócios Internacional, S.A. (Angola)”, refere o comunicado.

Além das autorizações regulatórias, este negócio dependerá igualmente dos “resultados do programa de avaliação de qualidade de ativos do sistema bancário angolano”, que está em curso, sublinha o Banco Montepio.

O grupo Montepio adquiriu, no final de 2010, a totalidade do capital da Finibanco Holding, posteriormente renomeada de Montepio Holding. Esta holding, detida a 100% pela Caixa Económica Montepio Geral, detém, por seu turno, 80,22% do Finibanco Angola, instituição que o Montepio tinha já colocado em processo de venda. A Montepio Holding fechou as contas de 2018 com um lucro de 8,5 milhões, contra os 31,3 milhões de 2017.

“No caso de conclusão bem-sucedida deste processo, o Grupo Banco Montepio cumprirá o objetivo estratégico já anunciado de não consolidação da sua participação no Finibanco Angola S.A”, acrescenta ainda o comunicado divulgado esta sexta-feira, que termina assegurando que o desfecho do processo será devidamente comunicado ao mercado.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montepio avança com negociações para fusão entre Finibanco e BNI em Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião