Receitas do turismo devem ser este verão melhores ou iguais a 2018

  • Lusa
  • 10 Maio 2019

Mais de 80% dos respondentes ao Barómetro do Turismo acreditam que o desempenho do turismo interno vai ser igual ou melhor, face ao verão do ano passado, no que toca a turistas, dormidas e receitas.

O desempenho do turismo em Portugal, no que se refere a receitas, dormidas e turistas, deverá ser este verão melhor ou igual ao de 2018, segundo o Barómetro do Turismo divulgado esta sexta-feira.

“No que se refere ao mercado interno, mais de 80% dos respondentes acreditam que o desempenho do turismo vai ser igual ou melhor, face ao verão do ano passado, no que toca a turistas, dormidas e receitas, lê-se no estudo do Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT).

No entanto, o mercado externo deverá ser “mais contido” do que o interno, “uma vez que 60% dos inquiridos admitem um desempenho igual ou melhor, relativamente ao mesmo período de 2018”.

De acordo com o Barómetro do Turismo, nos próximos seis meses, o número de pessoas empregadas (54,4%), a procura turística interna (50%) e o investimento privado (42,6%) são os indicadores que deverão registar um melhor desempenho, enquanto o investimento público “poderá ser menor” (-11,8%).

Por sua vez, o nível de confiança médio no desempenho do turismo atingiu em abril 77,6 pontos, “um ligeiro decréscimo” face ao último registo de janeiro de 2019 (81,3 pontos).

“Segundo alguns membros do painel, a reação do mercado britânico ao Brexit [saída do Reino Unido da União Europeia], a recuperação de destinos concorrentes de Portugal e o abrandamento da economia europeia são fatores que vão impactar o desempenho do turismo no verão de 2019”, indicou.

No que se refere à evolução do turismo nacional para o verão de 2019, o estudo concluiu que “os EUA deverão liderar o crescimento dos mercados internacionais, esperando-se que o Brasil e a China também continuem a crescer consideravelmente”.

Já no que concerne aos fatores que mais vão influenciar a escolha dos destinos de viagem, os inquiridos dividem-se entre “familiares, amigos e redes sociais”, com 47,1% e 44,1%, respetivamente.

Por sua vez, seguem-se as agências de viagens e operadores de sites de pesquisa (36,8%) e reserva de viagens (33,8%).

Para este barómetro foi considerado um universo de 160 membros, tendo sido recebidas 68 respostas entre 23 de abril e 02 de maio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receitas do turismo devem ser este verão melhores ou iguais a 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião