Guerra comercial em impasse. EUA querem que a China mude lei. Pequim diz que há limites que não passa

  • ECO
  • 13 Maio 2019

A administração norte-americana deverá detalhar, ainda esta segunda-feira, como é que mais 300 mil milhões de dólares em produtos chineses passarão a ter uma taxa de importação para os EUA de 25%.

Os Estados Unidos e a China chegaram a um impasse na guerra comercial. Enquanto Washington exige que a lei chinesa seja mudada, Pequim garantiu que não vai aceitar algo que prejudique os seus interesses. As negociações entre as duas maiores economias do mundo prosseguem esta segunda-feira.

“Consideramos que a China ainda não foi suficientemente longe”, afirmou Larry Kudlow, conselheiro económico de Donald Trump, este domingo, no programa Sunday Fox News, em declarações citadas pela Reuters (acesso livres, conteúdo em inglês). “Vamos esperar para ver. As negociações vão continuar”, disse, defendendo que a China terá de concordar com disposições de execução “muito fortes” para um eventual acordo.

Kudlow acrescentou que uma das condições é que Pequim formalize as mudanças na lei chinesa. EUA e China estiveram próximos de um acordo há quase duas semanas, mas Washington acabou por recusar, acusando a China de ter voltado atrás nos compromissos que tinha feito. Do lado chinês, o vice-primeiro-ministro Liu He considerou que era “natural” que houvesse mudanças até que um acordo seja alcançado.

“Não recuámos. Estamos é em desacordo quanto à forma com o que o texto deverá expressar”, explicou Liu He, em declarações à Phoenix Media, citadas pelo Financial Times (acesso pago, conteúdo em inglês). A China pretende que o acordo tenha por base “premissas de igualdade e dignidade”, disse o vice-primeiro-ministro, acrescentando que algumas diferenças são “questões de princípio” em que o país não fará concessões.

A administração norte-americana deverá detalhar como é que mais 300 mil milhões de dólares em produtos chineses passarão a ter uma taxa de importação para os EUA de 25%. O reforço das imposições segue-se ao aumento, também para taxas aduaneiras de 25% contra os anteriores 10%, de outros 200 mil milhões de dólares em produtos, na passada sexta-feira.

Penso que a China sentiu que estava a ser derrotada de tal maneira nas últimas negociações que talvez queiram esperar pela próxima eleição presidencial, em 2020, para ver se têm sorte e se um democrata ganha“, afirmou o presidente republicano, Donald Trump, no sábado no Twitter. “O acordo será muito pior para eles se tiver de ser negociado no meu segundo mandato. Seria sensato da parte deles agirem já”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guerra comercial em impasse. EUA querem que a China mude lei. Pequim diz que há limites que não passa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião