CDU condena “convergência” de PS, PSD e CDS contra direitos dos trabalhadores

  • Lusa
  • 15 Maio 2019

João Ferreira, secretário-geral do PCP e o cabeça de lista da CDU, aponta o dedo ao PS, PSD e CDS, que diz optarem "pelos interesses do capital", contra os direitos dos trabalhadores.

O secretário-geral do PCP e o cabeça de lista da CDU renovaram esta terça-feira as críticas à convergência de PS, PSD e CDS-PP contra os direitos dos trabalhadores e receberam o apoio de 1.751 sindicalistas.

Numa sessão pública da campanha europeia, num hotel lisboeta, Jerónimo de Sousa e João Ferreira discursaram a seguir ao secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, também membro do comité central comunista, que apelou ao voto na CDU nas eleições de 26 de maio.

Simbolicamente, foram entregues ao candidato da CDU às eleições europeias 1.751 postais com uma mensagem de reconhecimento do trabalho desenvolvido e confiança para o próximo mandato em Estrasburgo. Cada um dos postais estava assinado por dirigentes sindicais ou membros de organizações representativas de trabalhadores.

O líder comunista sublinhou o “negativo impacto da sistemática ofensiva que, desde início do século XXI, foi desencadeada por todos os governos de PS e PSD/CDS sem exceção”, “governos de política de direita que, indistintamente, assumiram, pacote atrás de pacote de medidas, a concretização da vulgata neoliberal para impor o reino da flexibilidade, um mundo de precariedade e arbítrio, o nivelamento por baixo dos direitos sociais e condições laborais”.

“É altura de lembrar que estas iniciativas foram recusadas com o voto convergente de PS, PSD e CDS na Assembleia da República. A opção do PS de se unir na votação ao PSD e CDS, e estes ao PS, no chumbo das iniciativas do PCP e da CDU, confirma a sua convergência em questões estruturantes da política de direita e seus compromissos com os interesses do grande capital”, recordou Jerónimo de Sousa sobre as propostas comunistas para revogação de normas da legislação laboral.

Segundo o secretário-geral do PCP, aquela “convergência atesta os fortes laços de classe que unem PS, PSD e CDS quando se trata de optar pelos interesses do capital”, confirmando que “querem consolidar o retrocesso imposto aos trabalhadores portugueses”, “tal como confirma os limites do Governo do PS e da sua política em matéria de valorização do trabalho e dos trabalhadores”.

O eurodeputado e recandidato da CDU, João Ferreira, centrou-se mais na União Europeia (UE), “enquanto processo de integração capitalista”, com “evidente conteúdo de classe”.

“Os seus propagandistas [da UE] de ontem e de hoje espalharam ilusões e mentiras como aquela ideia de que os trabalhadores portugueses – com a CEE, com o euro – passariam a ter salários iguais aos dos países mais desenvolvidos da Europa, promessas desmentidas sem apelo nem agravo pela realidade”, afirmou.

O candidato da CDU lamentou a “apresentação de siglas e programas – da Europa social à flexisegurança, do pilar dos direitos sociais até ao agora proclamado novo contrato social para a Europa”.

“Mas, ao longo de mais de três décadas, aquilo que veio da UE, das suas políticas, orientações e imposições, foi o ataque a direitos e salários e o agravamento da exploração. O programa da ‘troika’, esse autêntico pacto de agressão contra os interesses dos trabalhadores, do povo e do país, subscrito por PS, PSD e CDS com a UE e o FMI, mostrou bem até que ponto podem ir”, disse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDU condena “convergência” de PS, PSD e CDS contra direitos dos trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião