Imposto sobre o retalho na Polónia afunda Jerónimo Martins. Ações caem mais de 5%

Varsóvia ganhou a contestação judicial contra a Comissão Europeia sobre um imposto ao retalho que Bruxelas tinha considerado ilegal. Retalhistas deverão entregar ao Estado 466 milhões de euros ao ano.

O Governo polaco tem luz verde para aplicar um novo imposto sobre o retalho. A decisão do Tribunal Europeu de Justiça conhecida esta quinta-feira põe fim à suspensão pedida pela Comissão Europeia e está a penalizar as ações do setor em bolsa. A portuguesa Jerónimo Martins, dona da cadeia Biedronka na Polónia, não é exceção.

Varsóvia ganhou a contestação contra a Comissão Europeia sobre o imposto ao retalho que Bruxelas tinha considerado ilegal. O Tribunal europeu permitiu ao Governo que aplica uma nova taxa que deverá aumentar as receitas orçamentárias do Estado polaco em cerca de dois mil milhões de zlotys (equivalente a cerca de 466 milhões de euros) por ano.

O objetivo deste imposto é apoiar o comércio local contra a competição das gigantes do setor, principalmente cadeias estrangeiras. O tribunal considerou que o aumento progressivo da carga fiscal não “implica a existência de uma vantagem seletiva”.

Os grandes grupos de retalho que operam no país estão a ser as maiores penalizadas pela decisão do Tribunal. A Jerónimo Martins afunda 5,30% na bolsa de Lisboa para 12,98 euros por ação. Os investidores na empresa liderada por Pedro Soares dos Santos estão focar-se na decisão, ignorando a melhoria do preço-alvo pelo banco de investimento UBS (para 16 euros, dos anteriores 15 euros por ação).

Jerónimo Martins afunda em bolsa

Além da Jerónimo Martins, também a Dino Polska (que tomba 8%), a LPP (que perde 3,36%) e a CCC (que cede 0,73%) estão entre as retalhistas que seguem em baixa. “É negativo para as retalhistas, mas o novo imposto poderá só aplicado apenas em 2020″ porque ainda poderá ser pedido um recurso da decisão, lembrou Krzysztof Kawa, analista da Ipopema Securities, numa nota citada pela Bloomberg.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imposto sobre o retalho na Polónia afunda Jerónimo Martins. Ações caem mais de 5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião