Costa acusa Paulo Rangel de ter pedido a Bruxelas para “pôr Portugal na ordem”

  • Lusa
  • 19 Maio 2019

O secretário-geral do PS acusou o cabeça de lista europeu do PSD de ter pedido à Comissão para "pôr Portugal na ordem", tentando impedir a mudança política iniciada no final de 2015.

O secretário-geral do PS acusou este sábado à noite o cabeça de lista europeu do PSD de ter pedido à Comissão para “pôr Portugal na ordem”, tentando impedir a mudança política iniciada no final de 2015. António Costa fez esta referência a Paulo Rangel no discurso que encerrou o comício dos socialistas em Guimarães, no auditório do Centro Cultural Vila Flor – um comício que, após um fim de tarde de futebol, esteve longe de encher.

Numa intervenção em que procurou salientar diferenças entre PS e PSD, o líder dos socialistas referiu-se a um debate no Parlamento Europeu entre os eurodeputados Paulo Rangel e Elisa Ferreira, atual vice-presidente do Banco de Portugal e que então fazia parte do grupo socialista.

Temos dito muitas vezes que o candidato do PSD e do CDS a presidente da Comissão Europeia [Manfred Weber] tentou aplicar sanções com a força máxima contra Portugal, mas não foi só ele que quis impedir a mudança. Convém não esquecer que o cabeça de lista do PSD, num debate, no Parlamento Europeu, com a nossa deputada Elisa Ferreira, pediu à Comissão que viesse a Portugal impedir a mudança”, referiu António Costa.

Segundo António Costa, Paulo Rangel disse então que, com essa mudança política, o país “não seria capaz de cumprir os acordos europeus”. “Pediu à Comissão Europeia para nos vir cá pôr na ordem. Foi isso que Paulo Rangel defendeu no Parlamento Europeu, contra Portugal e contra os portugueses“, acentuou o secretário-geral do PS.

No seu discurso, António Costa voltou a alertar o eleitorado socialista contra os riscos da abstenção, alegando que essa atitude é “entregar a outros o poder democrático de escolher”, mas também se manifestou confiante na vitória do PS nas eleições europeias de 26 de maio.

“Sabemos bem que as campanhas europeias são sempre difíceis, porque tradicionalmente têm elevados níveis de abstenção. São, sobretudo, difíceis para os partidos que estão no Governo – só por duas vezes, até agora, ganharam as eleições europeias. Pois, no dia 26, pela terceira vez, o partido que está no Governo vai ganhar umas eleições europeias”, declarou.

António Costa manifestou-se satisfeito com a mobilização do seu partido, exclamando: “Que grande campanha tu, Pedro [Marques], tens vindo a fazer na rua, nas empresas, nos debates e em todo o sítio”. Neste contexto, elogiou ainda a lista de candidatos do PS e manifestou-se convicto que a ‘número dez’, a professora universitária Isabel Estrada Carvalhais, estará no Parlamento Europeu na próxima legislatura.

Deixou ainda um recado a quem o criticou por estar muito presente ao lado do cabeça de lista socialista, Pedro Marques. “Nem sempre posso estar presente todos os dias e a toda a hora na campanha do PS. Mas, obviamente, como secretário-geral do PS, era o que faltava se não estivesse preocupado, empenhado e sempre presente na campanha”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa acusa Paulo Rangel de ter pedido a Bruxelas para “pôr Portugal na ordem”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião