Ford vai cortar 7.000 empregos a nível mundial

  • Lusa
  • 20 Maio 2019

O corte corresponde a 10% do total de trabalhadores da Ford e visa à fabricante conseguir economizar e adaptar-se ao declínio de vendas de alguns modelos, em particular nos Estados Unidos.

O grupo automóvel Ford anunciou esta segunda-feira a supressão até ao final de agosto de 7.000 empregos a nível mundial, para conseguir economizar e adaptar-se ao declínio de vendas de alguns modelos, em particular nos Estados Unidos.

O construtor automóvel norte-americano não divulgou pormenores sobre a eliminação de empregos, mas o total de 7.000 corresponde a 10% do total de trabalhadores.

Com este corte, a Ford “pretende alcançar poupanças anuais de cerca de 600 milhões de dólares” (537 milhões de euros), indicou uma porta-voz, citada pela AFP.

Os postos de trabalho a eliminar envolvem saídas voluntárias e despedimentos, adiantou.

Cerca de 800 empregos serão cortados nos Estados Unidos, Canadá e México, 500 dos quais já esta semana, precisou a porta-voz. Este número acresce ao de 1.500 empregados que deixaram o grupo nos últimos meses na região, mas através de saídas voluntárias.

As medidas para economizar também vão afetar a China, a Europa e a América do Sul.

“Ainda não temos detalhes precisos para cada uma destas regiões […] porque a reestruturação está a ser feita, mas só termina no fim de agosto”, acrescentou a mesma fonte.

“Compreendemos que este é um momento difícil para as nossas equipas, mas as medidas são necessárias para pôr a Ford no caminho do sucesso e preparar a empresa para o futuro“, acrescentou.

As medidas de austeridade fazem parte de um vasto plano de reestruturação anunciado no outono pelo presidente executivo, Jim Hackett, para economizar 11 mil milhões de dólares e fazer da Ford um grupo mais “ágil” com procedimentos de tomada de posição mais rápidos.

A Ford quer adaptar-se à transformação que está a ser feita no setor automóvel, sobretudo com o desenvolvimento de viaturas autónomas e a uma aceleração para os veículos elétricos, o que exige uma modernização das fábricas existentes.

Nesta perspetiva, a Ford está a reorganizar as suas atividades na Europa, ponderando uma possível redução na produção de modelos populares como o Fiesta, o Focus e o Mondeo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ford vai cortar 7.000 empregos a nível mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião