Há cada vez mais clientes de pacotes de telecomunicações. São 3,88 milhões, sendo que metade tem 4P ou 5P

Adesão aos pacotes de 4P e 5P foi a que mais cresceu, aumentando em 7,3% nos últimos 12 meses do ano, para representar quase metade do total, com 1,8 milhões de subscritores.

Já praticamente não há uma casa portuguesa que não tenha um pacote de serviços de comunicações eletrónicas. Houve, no ano passado, um aumento de 3,9% no número de clientes destes pacotes, totalizando 3,88 milhões de subscritores, sendo que quase metade opta pelo 4P ou 5P. A Meo lidera.

No ano passado, “o número de assinantes de ofertas em pacote equivalia a 93,7% das famílias clássicas“, adianta a Anacom no relatório anual, o que explica que o ritmo de crescimento das adesões tenha abrandado face ao ano anterior.

A maioria dos portugueses optou pelos pacotes que contemplam mais serviços, conhecidos como 4P e 5P, que englobam telefone fixo, banda larga fixa, televisão paga, telemóvel e internet móvel.

Foi a adesão a estes pacotes de 4P e 5P que mais cresceu, aumentando em 7,3% nos últimos 12 meses do ano, para representar quase metade do total, com 1,8 milhões de subscritores (46,3% do total). Por outro lado, as ofertas 2P, que só incluem televisão e internet fixa, afundaram 10,6%.

Independentemente da escolha, a fatura média mensal dos clientes residenciais que optam por ofertas em pacote aumentou 1,2%, para 52,86 euros. As receitas ascenderam a 1,5 milhões de euros em 2018.

No que diz respeito às operadoras escolhidas pelos portugueses, a Meo lidera no número de subscritores, com 40,6% do total, mas fica ao mesmo nível que a Nos na quota em termos de receitas. Já a Vodafone foi o prestador que mais aumentou os subscritores no ano passado. Por cá não existem muitas mudanças de prestadores, em comparação com os outros países europeus.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há cada vez mais clientes de pacotes de telecomunicações. São 3,88 milhões, sendo que metade tem 4P ou 5P

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião