Juros da dívida portuguesa a dez anos abaixo de 1% pela primeira vez

  • ECO
  • 23 Maio 2019

Juros da dívida portuguesa estão em mínimos de sempre a dois, cinco e dez anos.

Os juros da dívida portuguesa atingiram esta quinta-feira o valor mais baixo de sempre, com a yield das obrigações a 10 anos a cair pela primeira vez abaixo da fasquia do 1%.

Eram cerca das 9h40 quando a taxa de juro associada aos títulos a 10 anos, a referência no mercado, atingiram os 0,995%, marcando um novo mínimo histórico no mercado de dívida nacional. Entretanto, a taxa de juro já atenuou ligeiramente a queda face à última sessão, estando a negociar nos 1,016%.

Também se observam quedas nas outras maturidades. No prazo de cinco anos, os juros também estavam a cair para um mínimo de sempre, na casa dos 0,026%, contra a taxa de 0,043% registada na quarta-feira. No mesmo sentido, os juros a dois anos desciam para -0,405%, um mínimo de sempre, contra -0,390% na sessão anterior.

Juros a dez ano abaixo dos 1% pela primeira vez

Fonte: Reuters

Portugal não era o único país da Zona Euro com os juros da dívida a cair. Os juros de Itália desciam a dois e cinco anos e subiam a dez anos, enquanto os de Espanha e da Irlanda recuavam em todos os prazos. Os juros da Grécia subiam a cinco e dez anos, únicos prazos disponíveis.

Na Alemanha, a dívida a 10 anos também via a yield cair para território ainda mais negativo, depois de o indicador que mede atividade empresarial na maior economia da região ter recuado em maio, adensando os sinais de que a guerra comercial está a afetar o crescimento económico. Com os investidores a procurarem refúgio na dívida alemã, a taxa das bunds cediam para -0,10%.

Os analistas do BPI anteveem uma inversão nos juros, nomeadamente após as eleições europeias que iniciaram hoje e terminam no próximo domingo. “As yields alemãs a 10 anos (que servem de referência para as demais yields europeias) não conseguiram validar o mínimo (-0.,320%) alcançado a 15 de maio. Este padrão associado ao facto de a queda das yields ter atingido níveis técnicos extremos aumenta a probabilidade de uma sua subida de curto prazo”, disseram os analistas Ângelo Mea e Inês Souto de Moura.

“Adicionalmente, a realização das eleições europeias no domingo poderá dissipar alguma incerteza entre os investidores e redimensionar os seus receios”, reforçaram os analistas do BPI.

(Notícia atualizada às 10h58 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida portuguesa a dez anos abaixo de 1% pela primeira vez

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião