Abertas as candidaturas para a 2ª edição do Prémio Rui Pena

  • BRANDS' ADVOCATUS
  • 23 Maio 2019

Em maio de 2019 foi entregue o 1º Prémio Rui Pena, uma iniciativa da CMS Rui Pena & Arnaut e do ECO/Advocatus. Já estão abertas as candidaturas para a 2ª edição.

Prémio Rui Pena distingue trabalho sobre mobilidade elétrica

O Prémio Rui Pena, uma iniciativa da CMS Rui Pena & Arnaut e do ECO/Advocatus foi lançado em Maio de 2018, com três objetivos, explica José Luis Arnaut, managing partner da Sociedade: “um primeiro objetivo era homenagear a memória do Dr. Rui Pena naquela que foi a sua área de prática de excelência que era o Direito Público no setor da energia. Um segundo, apoiar jovens que, neste setor do direito da energia estejam a trabalhar e queiram fazer investigação. E finalmente, um terceiro objetivo: fomentar o debate de novas matérias debate e trazê-las ao conhecimento público através daqueles trabalhos que vamos premiar e incentivar”.

O Prémio Rui Pena volta a ser entregue em 2020 e os critérios de participação mantêm-se: destina-se a alunos de licenciatura, pós-graduação, mestrado e doutoramento que tenham trabalho académico desenvolvido na área do Direito da Energia e que seja inédito. O prazo de submissão de trabalhos a concurso termina no dia 30 de Novembro

(ver regulamento)

Mónica Carneiro Pacheco, sócia de Direito da Energia da CMS Rui Pena & Arnaut e responsável pelo Prémio Rui Pena, lança o desafio aos candidatos: “dirijo um repto aos estudantes, mestrandos, doutorandos para que olhem para esta área do direito. Há imensos temas por explorar, designadamente a regulação económica, que tem vertentes interessantíssimas. Aliás a área está muitíssimo desenvolvida nos Estados Unidos, o que contrasta, em minha opinião, com o fraco nível de sofisticação atingido na Europa e, menos ainda, em Portugal “.

Entrevista a Mónica Carneiro Pacheco

Prémio Rui Pena distingue trabalho sobre mobilidade elétrica

Naquela que foi a primeira edição do Prémio Rui Pena – Direito da Energia, o galardão foi entregue a Augusta Mattos, que se encontra a terminar o mestrado em Ciências Jurídico-Ambientais na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, pelo seu trabalho na área da mobilidade elétrica: “O Carro Elétrico e as estratégias da União Europeia para diminuir as emissões na mobilidade individual”.
A cerimónia de entrega contou com uma apresentação de Pedro Saraiva, administrador executivo do grupo Salvador Caetano para a mobilidade em Portugal e expansão em Africa, dedicada ao futuro da mobilidade.

Entrevista a José Luís Arnaut

A escolha da área de investigação não podia ser outra, diz Nuno Pena, sócio e filho do fundador: “a ideia de ligar o prémio ao Direito da Energia foi muito natural. Era a área do Direito que mais o entusiasmava e aquela que o ocupou por mais de cinquenta anos.

O júri do Prémio Rui Pena, composto por Carla Amado Gomes, Presidente da Associação Portuguesa de Direito da Energia e Professora de Direito da Energia da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Vítor Santos, Professor de Economia no Instituto Superior de Economia e Gestão e ex-Presidente da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos e pela CMS Rui Pena & Arnaut, representada pela sócia de Direito Público e de Energia, Mónica Carneiro Pacheco, justifica a escolha do trabalho sobre o carro elétrico: “a distinção do trabalho de Augusta Mattos sobre mobilidade elétrica acontece em razão da importância da temática no contexto da transição energética desencadeada pelo Acordo de Paris. Os desafios – mas também as incertezas – lançados pela introdução de veículos elétricos, bem assim como a sua decisiva contribuição para a eficiência energética, ficaram bem ilustrados neste trabalho”, disse Carla Amado Gomes.

Para Mónica Carneiro Pacheco, responsável pela iniciativa do prémio, para a escolha do trabalho vencedor, muito contribuiu “a profundidade com que aborda elementos essenciais relativamente ao tema da mobilidade elétrica, bem como a reflexão, no âmbito das políticas públicas, sobre a questão que me parece relevantíssima: incremento da utilização tem de ser acompanhado pelo recurso a energias limpas e renováveis também na produção ou estaremos, mesmo que utilizando energias renováveis, a aumentar a pegada carbónica. Finalmente, este trabalho também aborda a questão do tratamento dos resíduos porque vamos ter que aprofundar tecnicamente como é que vamos atender a este problema”.

O trabalho vencedor recebeu uma bolsa e será brevemente publicado em formato de E-book pela Advocatus.

Uma área que precisa de mais investigação

O Direito da Energia é uma área, diz Carla Amado Gomes, onde “inquestionavelmente há falta de investigação e este prémio pode e deve constituir um incentivo à sua produção”. Para Mónica Carneiro Pacheco, há falta de investigação na área do Direito em geral mas no setor do Direito da Energia em particular: “faz muitíssima falta porque o quadro de regulação também tem que ir beber a novas ideias, por isso tem que haver criatividade, e não ser algo que fica limitado à questão das políticas. É preciso desenvolver o quadro legal”.

É também a opinião de Nuno Pena: “estimular a produção académica nesta área pareceu-nos muito relevante. Com efeito, tem estado um pouco aquém do que seria esperado e, sobretudo, do desejável num país como o nosso, tão na vanguarda no sector energético, particularmente no que às energias renováveis respeita. A atribuição do nome “Rui Pena” foi, em boa verdade, um abuso da nossa parte. Bem sabemos que, por sua vontade, teria optado por algo mais reservado. Acreditamos, no entanto, que o mesmo nos relevou já esta falta sopesando a enorme alegria que nos deu prestar-lhe esta homenagem”.

Livro de homenagem a Rui Pena

O Prémio Rui Pena integra-se num conjunto de iniciativas de homenagem ao fundador da CMS Rui Pena & Arnaut, uma sociedade que iniciou atividade em 1964 com Rui Pena. Está em curso a preparação de um livro de homenagem, essencialmente coordenado por Nuno Pena, sócio da CMS Rui Pena & Arnaut e filho do fundador.

“Embora sendo suspeito para o afirmar, parece-me verdadeiramente consensual que uma das marcas distintivas do meu Pai era a sua constante disponibilidade para partilhar desinteressadamente o seu tempo e o seu conhecimento. No fundo, era (mais) uma expressão da sua grande generosidade. A mesma que nos permitiu crescer e perdurar. Pareceu-nos a todos aqui no escritório que numa homenagem que lhe fizéssemos, essa sua marca devia estar presente”, diz Nuno Pena.

A sociedade está a ultimar os trabalhos de preparação de um livro que se designará “Estudos de Homenagem a Rui Pena” e que contará com contributos científicos de colegas de profissão e académicos. “Todos aqui no escritório estamos muitíssimo gratos pela imediata e efusiva adesão de todos a quem desafiámos para contribuir para o livro e pela enorme qualidade dos artigos entretanto apresentados. Sabemos bem do esforço e do sacrifício pessoal que tal representa. É um conforto contar com tantos amigos. Um privilégio”, remata o filho do fundador.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Abertas as candidaturas para a 2ª edição do Prémio Rui Pena

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião