Irlanda quer saber se Google cumpre RGPD. Abre investigação à gigante tecnológica

O regulador irlandês quer saber se a plataforma publicitária da Google está a cumprir todos os aspetos previstos no RGPD. Em janeiro, a tecnológica já foi multada pelo regulador francês em 50 milhões.

A Comissão de Proteção de Dados da Irlanda iniciou uma investigação à Google para averiguar se a plataforma publicitária da gigante tecnológica está a cumprir todos os aspetos previstos no Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), as regras que entraram em vigor há sensivelmente um ano.

De acordo com o El Economista (acesso livre, conteúdo em espanhol), os reguladores irão analisar se o procedimento de dados pessoais, levados a cabo em cada uma das etapas das transações publicitárias, cumpre todas as regras do RGPD. Assim, o organismo irlandês vai estudar as “práticas de retenção [de dados]” da Google, bem como se a empresa liderada por Sundar Pichai cumpre os princípios de transparência.

Em abril, a Comissão de Proteção de Dados da Irlanda iniciou um procedimento semelhante contra o Facebook. Na mesma altura, a entidade informou, também, que estava a realizar 51 investigações de grande escala, 17 das quais estavam relacionadas com empresas tecnológicas, como o Twitter, LindedIn e Apple.

De acordo com o previsto no RGPD, os reguladores nacionais de proteção de dados podem impor multas às empresas até 20 milhões de euros ou até 4% da sua receita global.

Recorde-se que, em janeiro, o regulador francês já aplicou à Google uma multa recorde de 50 milhões de euros, para garantir que a lei da privacidade dos dados é aplicada devidamente. A multa decorreu de uma investigação que acusava o gigante norte-americano de não informar os utilizadores sobre o uso dos dados pessoais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Irlanda quer saber se Google cumpre RGPD. Abre investigação à gigante tecnológica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião