Regulador francês aplica multa recorde à Google. 50 milhões por não cumprir RGPD

A gigante tecnológica foi multada com um valor recorde por não cumprir com o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD).

A Comissão Nacional de Informática e Liberdade (CNIL) aplicou à Google uma multa recorde de 50 milhões de euros. Em causa está uma investigação que acusa o gigante norte-americano de não informar devidamente os utilizadores sobre o uso dos dados pessoais, avança o Le Monde (conteúdo em francês).

Após duas reclamações recebidas a 25 e 28 de maio do ano passado pela CNIL — regulador francês com missão de garantir que a lei de privacidade dos dados é aplicada devidamente –, foi aberta a 1 de junho uma investigação que acabou por acusar a tecnológica de “falta de transparência na aplicação do RGPD (Regime Geral de Proteção de Dados), informação insatisfatória e falta de consentimento válido para a personalização da publicidade“, refere o jornal francês.

“Apesar das medidas implementadas pela Google (documentação e ferramentas de configuração), as falhas encontradas privam os usuários de garantias fundamentais relativas a tratamentos que podem expor partes inteiras da sua privacidade“, refere a CNIL, em comunicado. Para a entidade, é importante lembrar que é “necessário permitir que os utilizadores mantenham o controlo sobre os seus dados e, portanto, é necessário informá-los de forma clara e deixá-los em condições de consentir esses acessos”.

Além disso, os 50 milhões de euros aplicados como multa devem-se ainda ao facto de que “as falhas mantidas continuam até hoje e são violações constantes do RGPD. Não são uma coisa pontual, delimitada no tempo”.

Com esta sanção, a CNIL torna-se na primeira entidade reguladora europeia a multar uma importante plataforma mundial como a Google, tendo como base o novo regulamento europeu de proteção de dados, que entrou em vigor a 25 de maio do ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador francês aplica multa recorde à Google. 50 milhões por não cumprir RGPD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião