Nove curiosidades das Europeias de 2019 em Portugal

Os cidadãos dos Estados-membros da UE foram chamados às urnas para eleger os deputados que se vão sentar no Parlamento Europeu. Em Portugal, o PS ganhou quase metade dos assentos.

Depois de quatro dias de votações em 28 países, terminaram neste domingo as segundas maiores eleições do mundo. Os cidadãos dos Estados-membros da União Europeia deslocaram-se às urnas para decidir quem serão os deputados que nos próximos cinco anos se sentam no Parlamento Europeu. Portugal elege 21 dos 751 eurodeputados, num escrutínio que por cá deu a maioria dos votos ao partido no Governo, o PS. Veja nove números que explicam como correram estas eleições.

Apesar da abstenção, há mais pessoas a votar

A taxa de abstenção atingiu um recorde em Portugal nestas eleições, fixando-se nos 68,6%. Mas, mesmo assim, votaram mais 30 mil eleitores do que nas últimas Europeias. Este domingo foram às urnas cerca de 3.313.140 eleitores, de acordo com os dados do MAI, enquanto nas eleições de 2014 foram 3.283.098 os votantes. Os votantes no estrangeiro também aumentaram, passando de 4.617 para 12.725.

O crescimento da taxa de abstenção, apesar do maior número de votantes, é justificado pelo aumento do universo de inscritos em 2019, devido ao recenseamento automático com o cartão do cidadão, bem como dos emigrantes. Nas eleições de 2014 estavam 9.683.089 inscritos, número que avançou para os 10.650.007 inscritos este ano.

Participação nas eleições em Portugal foi a sexta pior da União Europeia

Só cinco países na União Europeia registaram uma taxa de participação mais baixa do que Portugal (31,01%) nas eleições Europeias deste ano. Foram eles a Eslováquia (22,74%), seguindo-se a Eslovénia (28,29%), a República Checa (28,72%), Croácia (29,65%) e Bulgária (30,83%). Na maioria dos Estados-membros o número de eleitores que se deslocou às urnas aumentou, tanto que a participação na União Europeia foi a maior em 20 anos, fixando-se nos 50,94%.

Mais de um milhão de votos separam o partido mais votado do menos

Apesar de representarem alternativas da ideologia socialista, 1.099.397 votos separam o Partido Socialista do Movimento Alternativa Socialista. O PS foi o partido mais votado, com 1.106.033 votos, enquanto o MAS foi o que conquistou menos eleitores. Este movimento, que surgiu da fusão entre a Frente da Esquerda Revolucionária (FER), e os jovens ativistas do movimento estudantil (Ruptura), teve 6.636 votos, o que corresponde a 0,20% do total.

PSD só ganha no distrito de Vila Real e na Madeira

No continente, só o distrito de Vila Real é que deu a vitória ao PSD, o que ajuda a explicar que os sociais-democratas tenham ficado em segundo lugar nestas eleições. Já nas ilhas, o PSD consegue a maioria dos votos na Madeira, onde Governo Regional é dominado pelos sociais-democratas desde sempre, obtendo 37,15% dos votos dos madeirenses.

PAN não teve nenhum voto em Barrancos, terra dos “touros de morte”

O Partido Pessoas Animais Natureza (PAN) foi a surpresa das eleições europeias deste ano, garantindo a nomeação de um eurodeputado. Mas na vila alentejana de Barrancos, nenhum dos votos depositado nas urnas foi para o partido que defende os direitos dos animais e se afirma contra as touradas. Esta é a terra, onde se realiza a “Fêra de Barrancos”, que conseguiu aprovar um regime de exceção para os touros de morte, proibidos em Portugal no século passado.

Comunistas são segunda força em Setúbal

O PCP continua sem conseguir recuperar Almada dos socialistas, mas foi a segunda força mais votada em todo o distrito de Setúbal, com 17,14% dos votos (44.337 votos, metade do que o PS conseguiu). Mesmo na freguesia onde se realiza a Festa do Avante, em Amora, o PS conseguiu obter 37,97% dos votos, contra 15,77% para a CDU.

Emigrantes dão vitória a PSD

Os sociais-democratas deverão vencer os votos do estrangeiro, apesar de ainda faltarem apurar alguns consulados portugueses no mundo. No total dos consulados, o PSD obteve 28,37% das votações, com 3.610 votos. O PS aparece em segundo, com 25,46% dos votos.

Quando se olha para a distribuição geográfica, os sociais-democratas ficam na primeira posição em todos os continentes exceto na Europa. Aqui lideram os socialistas na maioria dos países, exceto na Noruega, República Checa, Bulgária e Chipre onde os emigrantes portugueses deram a vitória ao BE. Na Dinamarca, na Suécia e na Grécia o PAN ficou em primeiro, na Finlândia ganhou o Livre e em Itália e na Roménia o PSD ficou em primeiro.

PSD ganha em concelhos afetados pelos incêndios de 2017

Nos concelhos de Pedrógão Grande, Leiria e Sertã, onde ocorreram os incêndios de 2017, o PSD fica na primeira posição nestas eleições europeias. Já em Monchique, região afetada pelos fogos no ano passado, foi o PS que obteve mais votos.

Portugal elege tantos deputados quanto partido de Macron

Os representantes dos partidos portugueses vão ocupar 21 assentos no Parlamento Europeu, a mesma quantidade de lugares que irá preencher o partido do presidente francês Emmanuel Macron, que nem foi o vencedor das eleições no país. O número de deputados de cada país é aproximadamente proporcional à dimensão da população. A União Europeia tem quase 500 milhões de cidadãos, enquanto Portugal tem cerca de 10,31 milhões de pessoas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Nove curiosidades das Europeias de 2019 em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião