UE dá ‘luz verde’ à Comissão para negociar novas regras para comércio ‘online’

  • Lusa
  • 27 Maio 2019

Este é o passo que faltava para que Bruxelas inicie negociações em nome da UE, num processo que visa “estabelecer regras internacionais que incentivem o comércio eletrónico a nível mundial".

O Conselho da União Europeia (UE) autorizou esta segunda-feira a Comissão Europeia a propor novas regras para o comércio eletrónico no âmbito das negociações multilaterais com os outros membros da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Em comunicado, o Conselho da UE, onde estão representados os Estados-membros, informa que “adotou hoje um mandato de negociação que permite à Comissão participar em negociações multilaterais sobre o comércio eletrónico”.

Este era o passo que faltava para o executivo comunitário iniciar as negociações em nome da UE, num processo que visa “estabelecer regras internacionais que incentivem o comércio eletrónico a nível mundial, facilitem as operações das empresas – em particular das pequenas e médias -, reforcem a confiança dos consumidores no ambiente digital e criem novas oportunidades para promover o crescimento e o desenvolvimento inclusivos e sustentáveis”, aponta o Conselho da UE na nota.

Em causa está a proposta da Comissão Europeia relativa à posição da UE para o setor, divulgada no final de abril no seguimento das negociações iniciadas em janeiro deste ano pela OMC no Fórum Económico de Davos.

Esta proposta – que foi debatida juntamente com outras de outros membros da OMC em discussões informais realizadas em meados deste mês em Genebra, na Suíça – visa a criação de regras para o setor do comércio eletrónico que passam por garantir a validade dos contratos e das assinaturas ‘online’ e por fortalecer a confiança e segurança dos consumidores na internet.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE dá ‘luz verde’ à Comissão para negociar novas regras para comércio ‘online’

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião