Há 30 anos que o défice comercial de Portugal com a China não era tão elevado

Importações subiram 14,7% em 2018, para 2,35 mil milhões de euros. Em sentido contrário, as exportações caíram 21,9% para 657,8 milhões, agravando o défice para o valor mais elevado de que há registo.

As relações comerciais entre Portugal e China estão cada vez mais fortes, mas o desequilíbrio a favor do gigante asiático não era tão grande há, pelo menos, 30 anos. O défice atingiu, em 2018, quase 1,7 mil milhões de euros devido à conjugação do crescimento das importações de produtos chineses para Portugal e da diminuição das exportações portuguesas para a China.

Foram importados 2,35 mil milhões de euros de produtos da China para Portugal, em 2018. O montante representa um crescimento de 14,7% face a 2017, ano em que as importações tinham ultrapassado pela primeira vez os dois mil milhões de euros, segundo revelam dados do Eurostat publicados esta segunda-feira.

Em sentido contrário, as exportações de Portugal em direção à segunda maior economia do mundo caíram 21,9% ao longo do ano passado, para 657,8 milhões de euros. Desde 2013 que empresas portuguesas não exportavam tão pouco para a China. Assim, o défice da balança comercial entre os dois países situou-se em 1.692.368.887 euros, o valor mais elevado de que há registo pelo Eurostat, cujos dados são reportados desde 1988.

Há vários anos que as relações entre os dois países tem sido reforçadas, com crescimento do investimento e comércio. Ainda no mês passado o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, realizou uma visita oficial ao país em que falou de “uma empatia” ao mais alto nível político nas relações luso-chinesas e pediu aos empresários que aproveitem este momento para “ir mais longe e ir mais depressa” nos negócios.

No entanto, a balança comercial tem pendido cada vez mais a favor do gigante asiático. O défice entre Portugal e China ultrapassou os mil milhões de euros pela primeira vez em 2008 e o último máximo de que havia registo tinha acontecido em 2010, quando se situou em 1.345.194.186 euros.

Fonte: Eurostat

A nível europeu, a China foi o segundo maior parceiro da União Europeia em termos de exportações de bens (11% do total para da UE) e o maior parceiro no que diz respeito a importações (20% do total). Nos últimos dez anos, o défice comercial entre UE e China variou entre 130 mil milhões e 190 mil milhões de euros, tendo-se fixado em 185 mil milhões, no ano passado.

Maquinaria e veículos, bem como químicos e outros produtos industriais são os segmentos dominantes. Os dados do Eurostat revelam ainda que a Holanda foi o maior importador de bens vindos da China (85 mil milhões de euros) entre os países da UE, enquanto a Alemanha foi o maior exportador (94 mil milhões de euros), em 2018.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Há 30 anos que o défice comercial de Portugal com a China não era tão elevado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião