Vencedores e vencidos. Um guião para ler os resultados das eleições europeias

O PS venceu as eleições europeias. O PSD teve uma derrota histórica e o Bloco é a terceira força política. Sete leituras que se podem fazer das eleições deste domingo.

O PS venceu as eleições europeias de domingo com 33,38% dos votos e o PSD não terá ido além dos 21,94%, revelam os resultados quando a contagem de votos em todas as freguesias está terminada, faltando apenas nove consulados num total de 100. O Bloco de Esquerda chegou ao terceiro lugar do pódio, o PCP e o CDS perderam e o PAN foi a surpresa da noite ao colocar um eurodeputado pela primeira vez no Parlamento Europeu. Mas afinal o que significa isto tudo?

António Costa e Pedro Marques celebram a vitória nas eleições.

PS vence e alarga distância face ao PSD

Costa saiu vencedor das eleições europeias, onde obteve vários avanços positivos. Foi o partido com maior percentagem de votos (33,38%) e maior número de eurodeputados sentados em Estrasburgo. Mais: cresceu face ao resultado de 2014 quando teve 31,46% dos votos, ainda não sendo certo a esta hora se aumenta o número de eurodeputados face aos oito de 2014. Além disso, os socialistas conseguiram garantir uma larga distância de segurança face ao PSD, que ficou em segundo lugar, com 21,94%. Conseguiu ainda contrariar uma das ideias comuns na análise política que é a de que, nas europeias, os eleitores penalizam o partido que está no poder. No entanto, é ainda difícil perceber que impacto este resultado poderá ter nas legislativas de 6 de outubro. Principalmente, porque a taxa de abstenção bateu um novo recorde e ninguém sabe ao certo se os eleitores das europeias são os mesmos das legislativas. Contudo, há um número que pode servir de alerta para obrigar o PS a olhar para as legislativas com atenção. É que mesmo com uma política de devolução de rendimentos durante a legislatura, com a economia a crescer e o desemprego a recuar, o PS parece estar longe dos cerca de 1,5 milhões de votos que conseguiu em 1999 e 2004.

PSD teve o pior resultado de sempre

Quando concorreu sozinho nas eleições europeias, o PSD conseguiu sempre um resultado superior a 30%. Nas eleições deste domingo, ficou-se pelos 21,94%, segundo os resultados quase finais. O PSD não só teve um mau resultado, em percentagem, como pode não ter conseguido aumentar o número de eurodeputados — em 2014 elegeu seis. Além disso, uma análise aos dados sobre o número de votos mostra que o PSD perdeu muito apoio desde a última vez que foi sozinho a eleições. Face a 2009, quando PSD e CDS foram separados, os sociais-democratas perderam à volta de 400 mil votos. Rio mantém-se como líder para concorrer às legislativas de outubro, mas esta derrota não deverá facilitar o caminho até lá. Os eleitores penalizaram a estratégia política de Rio, que desde o início teve dificuldades em manter o partido unido à sua volta.

O presidente do PSD, Rui Rio, comenta os piores resultados de sempre do partido, na conferência de imprensa sobre os resultados das eleições para o Parlamento Europeu.José Coelho/EPA 26 Maio, 2019

Bloco ganha balanço, PAN surpreende e CDS perde

O Bloco de Esquerda chega ao terceiro lugar, ao conseguir 9,82% dos votos, um aumento face aos 4,56% de 2014. Com esta vitória, e ao contrário do que aconteceu à CDU, o Bloco parece ter saído a ganhar mais do que o PCP com a geringonça — um facto aliás já notado nas eleições autárquicas de 2017. Quanto ao PAN, a surpresa foi total — e apanhou desprevenidos até os próprios responsáveis do partido. O PAN chegou à Assembleia da República em 2015 e quatro anos depois entra no Parlamento Europeu, ao capitalizar para si causas muito atuais, ligadas à ecologia, aos animais e às questões das alterações climáticas. Já o CDS saiu a perder, o que parece indicar que os bons resultados de Assunção Cristas nas autárquicas não tiveram reflexo nas eleições para o Parlamento Europeu.

Esquerda sai reforçada. Direita perde

A noite de domingo foi cheia de recados sobre a divisão esquerda direita no plano político nacional. Tanto PSD como CDS saíram derrotados. Por outro lado, PS e BE reforçaram a sua posição face aos resultados de há cinco anos. Já o PCP foi penalizado, com o resultado a ficar em cerca de metade do que foi conseguido em 2014. Esta conjugação de resultados levou os líderes dos partidos à esquerda a sublinhar a importância do reforço deste bloco em detrimento do bloco da direita, formado por PSD e CDS. Até do Aliança, o partido criado pelo ex-militante do PSD, Pedro Santana Lopes, chegou um aviso: “Talvez agora alguns percebam a importância de uma proposta que fiz de uma convergência de centro direita”, disse Santana. Cristas admitiu que houve uma “polarização” no seu espaço político.

PS na mesma em Lisboa, BE ganha muitos votos

A distribuição dos votos pelo território nacional é um dos indicadores mais finos para que os partidos olham para medir com mais certezas o seu resultado. Um dado curioso é que apesar de ter vencido as eleições, no concelho de Lisboa teve um resultado muito próximo ao de 2014. Um salto muito significativo foi dado pelo Bloco de Esquerda que duplicou a percentagem de votos face a 2014. Os votos nos grandes centros urbanos são decisivos em legislativas — só no distrito de Lisboa estão mais de 2 milhões de eleitores.

Europeias já não servem para penalizar governos

Em oito eleições europeias, quatro foram ganhas pelo partido que está no poder. A última foi este domingo. As restantes três foram em 1999, com Guterres, e em 1987 e 1989 com Cavaco Silva. Apesar de há haver um empate nos cartões vermelhos e verdes dados pelos eleitores aos governos em europeias, o que aconteceu este domingo já não se verificava há 20 anos.

Os mais pequenos: PAN vinga, Aliança, Livre e Iniciativa Liberal ficam pelo caminho

Entre os partidos mais pequenos, só um — o PAN — conseguiu um lugar nas cadeiras do Parlamento Europeu. Os restantes não conseguiram esse feito. No entanto, os projetos podem não ter ficado por aqui. O Aliança, por exemplo, dizia no domingo que ia ver os dados melhor, principalmente, em Lisboa.

André Silva do PAN (no centro à esquerda) e o cabeça de lista eleito para o Parlamento Europeu, Francisco Guerreiro, cumprimentam os apoiantes depois de uma conferência de imprensa sobre os resultados eleitorais, em Lisboa.António Cotrim/EPA 26 Maio, 2019

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Vencedores e vencidos. Um guião para ler os resultados das eleições europeias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião