Tomás Correia: CGD devia ter questionado em tribunal operação ruinosa das Obrigações Caravelas. “Não percebo porque é que pagámos e calámos”

Tomás Correia, administrador da CGD entre 2000 e 2003, diz que propôs que o banco tentasse anular em tribunal o negócio ruinoso com a Credit Suisse e que não entende porque a CGD não o tentou fazer.

O presidente da Associação Mutualista Montepio Geral, Tomás Correia, que foi administrador da Caixa Geral de Depósitos, disse esta terça-feira no Parlamento que renunciou à administração da CGD por discordar da política de crédito da instituição e pela gestão dos ativos feita pelo banco público. Tomás Correia defendeu ainda que “a CGD devia discutir isto até às últimas consequências” para discutir a legalidade da operação Boats Caravelas, iniciada em 2009 e que deu um prejuízo à CGD na ordem dos 450 milhões de euros.

Conhecia a operação, mas não foi ele quem a apresentou ao conselho de administração da CGD, nem sabe quem fez a apresentação, e certamente que quem o fez deixou de fora a parte mais importante, porque os administradores não sabiam. Foi assim que Tomás Correia respondeu às questões do PS sobre a operação da Boats Caravela, uma das operações ruinosas do banco público.

“Como é que alguém, o Credit Suisse, troca ativos a seu belo prazer, provoca esse prejuízo à Caixa que não estava contido naquilo que foi decidido no conselho de administração, e depois alguém faz um acordo de não vamos aqui discutir. Uma coisa destas vale a pena ser discutida em todos os tribunais do mundo”, disse Tomás Correia, na sua audição na comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa Geral de Depósitos.

Tomás Correia disse que propôs que esse contrato fosse contestado pela via judicial, talvez no ano de 2001, e que houve tentativa de encontrar escritórios de advogados para contestar o negócio, mas por alguma razão, que não explicou, a CGD nunca tentou questionar a validade do contrato. “Eu saí da Caixa. Não sei o que levou as administrações sucessivas a não discutir essa matéria”, disse.

João Paulo Correia, do PS, questionou sucessivamente Tomás Correia sobre quem levou a operação ao conselho de crédito e ao conselho de administração, com Tomás Correia a invocar sempre que não sabia, mas imputando a responsabilidade desse tipo de negócios à administração financeira. João Paulo Correia disse a Tomás Correia que “ninguém acredita neste país naquilo que o senhor está a dizer”, mas Tomás Correia respondeu garantindo que a administração não tinha conhecimento dessa cláusula.

“Não estou a contar nenhuma história, senhor deputado. Mas há uma coisa que pode ter a certeza absoluta, a questão mais importante, que vim a tomar conhecimento mais tarde, que o Credit Suisse tinha a faculdade de gerir os ativos desse veículo a seu bel-prazer nunca foi colocada ao conselho de administração, nem ao conselho diário”, disse, alinhando com o que António de Sousa já tinha dito na mesma comissão.

“Há um erro monumental em aceitar essa cláusula, que não foi o conselho de administração que aceitou. (…) Tenho muitas dúvidas que o argumento de investidor qualificado permitisse ao Credit Suisse levar vencimento nisso. E ninguém vai discutir isso em tribunal? Não percebo porque é que não discutimos isso em tribunal, porque é que pagámos e calámos”, disse, desta vez em resposta à deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua.

A maior parte da audição do atual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral gerou em torno desta operação, com o Partido Socialista a ser quem mais insistiu no tema e nas responsabilidades de Tomás Correia neste processo.

No entanto, Tomás Correia insistiu sempre que o conselho de administração só aprovou a operação e não o contrato. Sobre o contrato, disse que só teve conhecimento da existência das cláusulas mais tarde, e que em nenhum momento estas foram apresentadas ao conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos da altura. Tomás Correia insistiu também que não tinha o pelouro financeiro — era Vieira Monteiro — e que se alguma vez esse contrato tivesse sido apresentado com essas mesmas cláusulas, não teria aprovado esse contrato.

O contrato é feito, provavelmente enviado pelo Credit Suisse, e alguém não enviou o contrato ao advogado ou ao departamento jurídico. Como é que o conselho de administração advinha?”, disse.

Sobre a sua renúncia à Caixa Geral de Depósitos, Tomás Correia disse que aconteceu devido a “discordâncias em relação ao caminho que a Caixa Geral de Depósitos estava a trilhar e essas discordâncias não tinham exclusivamente a ver com o facto de a politica de crédito não ser a mais adequada”, que era também um dos problemas.

Tomás Correia citou ainda a política da CGD de “vender na primeira oportunidade” ativos como as posições em dois bancos brasileiros, o Unibanco e o Itau, que disse que poderiam ter rendido muito mais dinheiro ao banco público, e ainda deixou questões sobre a aplicação do dinheiro ganho com a venda dessas participações: “depois do que aconteceu na aplicação dessas mais-valias é uma questão que me leva a questionar muitas coisas que se passaram”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Tomás Correia: CGD devia ter questionado em tribunal operação ruinosa das Obrigações Caravelas. “Não percebo porque é que pagámos e calámos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião