Berardo admite que se excedeu na audição à CGD. Mas não quer ser “bode expiatório” dos problemas da banca

Joe Berardo diz que não foi sua "intenção ofender quem quer que seja, muito menos faltar ao respeito devido à Assembleia da República".

A audição de Joe Berardo na Comissão de Inquérito à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos terminou em polémica. A forma como o empresário respondeu aos deputados mereceu duras críticas dos deputados, do primeiro-ministro e até do Presidente da República. Admite que se excedeu, lamentando as respostas impulsivas. Mas diz que, agora, está a ser o “bode expiatório” de todos os males do sistema financeiro português desde 2007. E isso, diz, não aceita.

Quase duas semanas depois de ser sido ouvido na Assembleia da República, numa audição que contou, entre outras, com afirmações como a de que “pessoalmente, não tenho dívidas”, Berardo, que através das suas empresas deve cerca de mil milhões aos maiores bancos nacionais, vem retratar-se através de um comunicado. “Tenho que admitir que, no calor da discussão me excedi, dando algumas respostas impulsivas e não devidamente ponderadas”, começa por dizer.

"Tenho que admitir que, no calor da discussão me excedi, dando algumas respostas impulsivas e não devidamente ponderadas.”

Joe Berardo

“Não foi certamente minha intenção ofender quem quer que seja, muito menos faltar ao respeito devido à Assembleia da República. Adoro o meu país e quem me conhece sabe que jamais faltaria ao respeito a um órgão de soberania”, acrescenta Berardo, que entretanto viu iniciar-se um processo que pode levar à perda da comenda. “Jamais foi minha intenção ofender os meus compatriotas”.

Da “amnésia seletiva” ao “bode expiatório”

O investidor, que utilizou créditos contraídos junto da CGD para comprar ações do BCP em plena guerra pelo poder no banco, lamenta as frases proferidas, que chegaram a ser criticas por António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa. E diz que “teria sido mais fácil para mim não responder às perguntas e esconder-me em ataques de ‘amnésia seletiva, como tem acontecido com frequência nesta Comissão”. Diz que não o fez “por respeito ao Parlamento e aos portugueses”.

Berardo diz que desde a audição, a 10 de maio, tem sido um alvo. “Desde essa data tenho servido de ‘bode expiatório’ de todos os males do sistema financeiro português desde 2007″, algo que “não vou aceitar passivamente”.Na minha vida já estive envolvido em muitas batalhas. Esta é apenas mais uma e, por certo, não será a última”, remata.

(Notícia atualizada às 20h16 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Berardo admite que se excedeu na audição à CGD. Mas não quer ser “bode expiatório” dos problemas da banca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião