Faturas sem papel significam “milhões de poupança para economia nacional”

Desmaterialização das faturas "significa milhões de poupança para economia nacional. Só em Portugal são emitidas 15 milhões de faturas por dia", diz ministro das finanças.

O ministro das Finanças elogiou esta quarta-feira a forma como estão a decorrer os processos de simplificação e digitalização associados à desmaterialização das faturas e à criação de arquivos eletrónicos. Reconhecendo que ainda existe “muito caminho a ser feito”, Mário Centeno defende que ambas as medidas permitirão “simplificar, fortalecer e digitalizar a administração pública”, caracterizando a iniciativa como “positiva”.

Mário Centeno, que falava à margem de uma reunião com a Sonae MC, uma das empresas que já está aderiram à faturação digital, salienta que esta medida representa uma importante poupança para as empresas, uma vez que vai “reduzir significativamente os custos”.

Segundo o ministro das finanças “só em Portugal são emitidas cinco mil milhões de faturas por ano, o que corresponde a 15 milhões de faturas por dia. Só no retalho são emitidas quatro mil milhões de faturas anuais o que representa diariamente um total de 10 milhões de faturas. Isto são milhões de euros em custos administrativos”, sublinha o ministro das finanças.

A criação de arquivos digitais permitirá desmaterializar toneladas de papel que as empresas estão obrigadas a preservar por períodos longos para cumprir os requisitos legais. Mário Centeno usa como o exemplo a Sonae MC , que no arquivo central tem cerca de 90.000 contentores, que ocupam uma área de 1.400m2 e “representam um custo anual de cerca de 300 mil euros”. O ministro das finanças destaca ainda que é “um custo muito significativo para as empresas” e reforça as vantagens da aposta na desmaterialização.

Segundo o ministro das Finanças, os benefícios de fatura sem papel e dos arquivos digitais são uma “mais-valia para as empresas e para os consumidores”. Maior eficiência, questão ambiental, redução significativa dos custos, otimização dos recursos, incentivo à utilização das novas tecnologias e libertação de capital humano para outras tarefas de maior valor acrescentado, são algumas das vantagens inerentes a esta medida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faturas sem papel significam “milhões de poupança para economia nacional”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião