Faturas sem papel significam “milhões de poupança para economia nacional”

Desmaterialização das faturas "significa milhões de poupança para economia nacional. Só em Portugal são emitidas 15 milhões de faturas por dia", diz ministro das finanças.

O ministro das Finanças elogiou esta quarta-feira a forma como estão a decorrer os processos de simplificação e digitalização associados à desmaterialização das faturas e à criação de arquivos eletrónicos. Reconhecendo que ainda existe “muito caminho a ser feito”, Mário Centeno defende que ambas as medidas permitirão “simplificar, fortalecer e digitalizar a administração pública”, caracterizando a iniciativa como “positiva”.

Mário Centeno, que falava à margem de uma reunião com a Sonae MC, uma das empresas que já está aderiram à faturação digital, salienta que esta medida representa uma importante poupança para as empresas, uma vez que vai “reduzir significativamente os custos”.

Segundo o ministro das finanças “só em Portugal são emitidas cinco mil milhões de faturas por ano, o que corresponde a 15 milhões de faturas por dia. Só no retalho são emitidas quatro mil milhões de faturas anuais o que representa diariamente um total de 10 milhões de faturas. Isto são milhões de euros em custos administrativos”, sublinha o ministro das finanças.

A criação de arquivos digitais permitirá desmaterializar toneladas de papel que as empresas estão obrigadas a preservar por períodos longos para cumprir os requisitos legais. Mário Centeno usa como o exemplo a Sonae MC , que no arquivo central tem cerca de 90.000 contentores, que ocupam uma área de 1.400m2 e “representam um custo anual de cerca de 300 mil euros”. O ministro das finanças destaca ainda que é “um custo muito significativo para as empresas” e reforça as vantagens da aposta na desmaterialização.

Segundo o ministro das Finanças, os benefícios de fatura sem papel e dos arquivos digitais são uma “mais-valia para as empresas e para os consumidores”. Maior eficiência, questão ambiental, redução significativa dos custos, otimização dos recursos, incentivo à utilização das novas tecnologias e libertação de capital humano para outras tarefas de maior valor acrescentado, são algumas das vantagens inerentes a esta medida.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faturas sem papel significam “milhões de poupança para economia nacional”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião