BCE tem dúvidas sobre a lei dos grandes devedores. E deixa recado ao Parlamento: para a próxima quer ser ouvido

  • ECO
  • 31 Maio 2019

Numa carta enviada a Ferro Rodrigues, o Banco Central Europeu manifestou "sérias dúvidas" em relação a vários aspetos da lei dos "grandes devedores". E lamenta não ter sido ouvido no Parlamento.

O Banco Central Europeu (BCE) não gostou que o Parlamento português não o tivesse consultasse antes de avançar com a legislação que altera as regras do segredo bancário em relação àquilo que é a prática na Europa. Em fevereiro, numa carta enviada a Eduardo Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República (AR), o BCE manifestou “sérias dúvidas” em relação a este e outros aspeto da lei dos “grandes devedores”.

De acordo com o Observador (acesso livre), na carta assinada por Yves Mersch, membro da comissão executiva do BCE, a entidade europeia pede que, numa próxima vez, seja consultada previamente, justificando que não se trata de cortesia, mas sim do que manda o Tratado Europeu.

Demonstrando o desagrado da autoridade europeia, a carta, de três páginas, termina desta forma: “O BCE expressa o desejo de que a Assembleia da República portuguesa, tendo em devida conta as observações acima formuladas, honre no futuro a obrigação de consultar o BCE, quando for caso disso”.

Esta é uma legislação que foi aprovada com os votos favoráveis do PSD, PCP, BE e CDS e com a abstenção do PS. Isto apesar de o Banco de Portugal contestar esta divulgação dos grandes devedores de bancos resgatados, por não se enquadrar no direito europeu. Uma das preocupações do BdP estava relacionada com a eventualidade de os deputados divulgarem informação sujeita a segredo bancário.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE tem dúvidas sobre a lei dos grandes devedores. E deixa recado ao Parlamento: para a próxima quer ser ouvido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião