Vieira da Silva desafia esquerda a viabilizar alterações à Lei Laboral

Depois de António Costa, também Vieira da Silva desafiou a esquerda a viabilizar as alterações à Lei Laboral, aproveitando-se a "oportunidade histórica" de limitar a contratação a termo.

A pouco mais de uma semana da votação indiciária da revisão do Código do Trabalho, Vieira da Silva voltou a desafiar o Bloco de Esquerda a viabilizar o pacote legislativo apresentado pelo Governo, no qual se inclui a limitação dos contratos a termo. O ministro do Trabalho considerou que está em causa “uma oportunidade histórica” para reduzir as “causas e condições” da contratação a prazo e frisou que “a opção” cabe agora ao Parlamento.

Temos agora uma oportunidade histórica que é a de responder à segmentação como os trabalhadores precisam, reduzindo as causas e as condições da contratação a termo“, salientou o governante, na manhã desta sexta-feira, no debate de urgência sobre o mercado de trabalho pedido pelos socialistas.

No pacote legislativo apresentado pelo Executivo de António Costa, está incluída a limitação dos contratos a prazo, nomeadamente através da revogação da norma que permite a contratação a termo para postos de trabalho permanentes de jovens à procura do primeiro emprego. Apesar desta medida ser defendida também pelas bancadas de esquerda, PCP e BE já adiantaram que manterão a posição de voto defendida na generalidade, isto é, chumbarão o projeto de lei do Executivo, já que, na opinião desses partidos, na globalidade do pacote legislativo, o Governo não vai tão longe quanto deveria ir e introduz mesmo algumas normas negativas, como o alargamento do período experimental.

O Bloco de Esquerda chegou, no entanto, a garantir que votaria favoravelmente o projeto de lei de Vieira da Silva, se se deixassem cair três pontos desse pacote: O alargamento do âmbito e duração dos contratos de muito curta duração, a tal extensão do período experimental e o banco de horas fora da contratação coletiva. Em resposta, o primeiro-ministro desafiou a bancada de Catarina Martins a viabilizar a revisão à Lei Laboral mesmo que não seja “a dos seus sonhos”.

O mesmo apelo foi deixado, esta sexta-feira, pelo ministro do Trabalho, que disse: “Podemos não concordar em muitas coisas, mas temos de concordar em [aprovar] rapidamente essa e outras normas, como a duração dos contratos a termo, reduzindo-a para a mais baixa de sempre”.

Vieira da Silva reforçou que o “aspeto mais pesado da precariedade” é a “proliferação dos contratos a termo”, pelo que é urgente limitar esse tipo de contratação. “São dezenas de milhares de jovens que, só este ano, não deveriam ter tido um contrato a prazo só por serem jovens. Está nas vossas mãos”, desafiou o político. “Ou fazemos agora, ou vamos ter de aguardar”, disse.

Recorde-se que, em julho do ano passado, a revisão do Código do Trabalho baixou à especialidade, tendo recebido o voto favorável do PS, a abstenção do PSD e CDS e os votos desfavoráveis do PCP e do BE. Quase um ano depois, a esquerda mantém-se firma na sua posição, mas a direita confirma que “não será um obstáculo” à aprovação deste projeto de lei, desde que seja cumprido o acordo conseguido na Concertação Social. Tudo somado, não ainda é certo que o pacote do Executivo caia, mas é expectável que, a passar, será com o apoio das bancadas da direita e não dos parceiros político do Governo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vieira da Silva desafia esquerda a viabilizar alterações à Lei Laboral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião