BRANDS' PESSOAS Como pode People Analytics mudar o papel dos RH na Organização?

  • BRANDS' PESSOAS
  • 3 Junho 2019

Catarina Maria, EY Senior, fala sobre a informação que é, atualmente, um dos recursos mais valiosos e subaproveitados numa organização – terá, no futuro, o valor que o petróleo teve no passado.

A tecnologia está a promover esta transformação, alterando a forma como vivemos e como gerimos negócios. Uma área de Recursos Humanos competitiva tem que responder a esta nova era: digital e de informação.

Analytics nas organizações

Um estudo recente da IBM indica que as Organizações que utilizam Analytics têm duas vezes mais probabilidades de superar os seus concorrentes, mais 33% de crescimento de receitas e 12 vezes mais crescimento de lucros, comparativamente com as que não utilizam.

Desde sempre, as organizações usam os dados existentes nos seus sistemas – sejam eles softwares complexos ou uma simples folha de cálculo – para mapear o que já aconteceu, de uma forma descritiva.

As práticas de Analytics utilizam esses mesmos dados e acrescentam-lhes informação, contextualizando-os para que assumam um papel preditivo – ao compreender o porquê de ter acontecido, permite prever o que vai acontecer – ou, em organizações mais maduras, um papel prescritivo – apoiar a tomada de decisões e/ou ações que produzam um resultado mais eficaz na prossecução de objetivos definidos.

O reconhecimento da importância de Analytics nas organizações reflete-se no aumento do investimento nestas soluções – espera-se que mais de 41% das organizações aumente o seu orçamento para a implementação de soluções de Analytics em 2019-2020!

Estas soluções são, frequentemente, parte de um programa de ativação digital mais vasto nas organizações que pode, e deve!, integrar a vertente de People Analytics.

Mas o que é People Analytics?

People Analytics, ou HR Analytics, refere-se à aplicação de Analytics e de Big Data à Gestão de Recursos Humanos, com o objetivo de promover a melhoria da performance organizacional. Permite antecipar linhas de ação tão variadas como necessidades futuras de recrutamento, de desenvolvimento de competências e talento e, inclusive, antecipar o momento em que um determinado colaborador pretende deixar a organização.

O papel de People Analytics na Gestão de Recursos Humanos é transformador, potenciando uma atuação mais interventiva e proactiva e uma maior contribuição dos Recursos Humanos nos resultados do negócio.

Os profissionais de Recursos Humanos estão cada vez mais conscientes do papel de People Analytics no futuro das organizações: de acordo com o estudo 2019 HR Skills of the Future, da MyHRFuture, quando lhes foi solicitado que completassem a frase “Se pudesse desenvolver uma competência em 2019, seria…” 28% dos profissionais de recursos humanos responderam People Analytics.

De que forma contribui para o negócio?

Dave Ulrich refere que não são os dados sobre RH que interessam aos decisores, aos clientes e aos investidores, mas sim modelos preditivos e contributos estatísticos que impactem no negócio. Desta forma, os Recursos Humanos evoluem de uma abordagem de disponibilização de dados de reporte de atividade para a disponibilização de dados que permitem criar valor na organização, antecipando impactos e contribuindo ativamente para o negócio.

Para os stakeholders, os resultados isolados do engagement dos Colaboradores é menos relevante do que a apresentação do impacto desses resultados na satisfação e fidelização dos Clientes e, consequentemente, nos resultados do negócio.

É, desta forma, que o People Analytics contribui para o negócio, permitindo à organização:

  • Tomar melhores decisões de negócio
  • Melhorar processos
  • Correlacionar informação de negócio
  • Criar vantagem competitiva
  • Incrementar as receitas
  • Criar mais valor para o acionista

Esta participação mais ativa no negócio e na organização potencia a transformação do papel dos Recursos Humanos nas organizações, evoluindo do seu posicionamento de Business Partner para um papel de maior reconhecimento interno como Advisory Partner.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como pode People Analytics mudar o papel dos RH na Organização?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião