Descentralização está na agenda e regionalização será debatida até outubro, diz ministro

  • Lusa
  • 4 Junho 2019

O ministro da Administração Interna disse que o Governo colocou a descentralização "na agenda" e que a regionalização "estará em debate até outubro".

O ministro da Administração Interna (MAI) disse esta terça-feira que o Governo colocou a descentralização “na agenda” e que o arranque, na próxima legislatura, da regionalização “estará em debate até outubro“, cabendo aos portugueses “tomar as suas decisões”.

Questionado aos jornalistas, Eduardo Cabrita, que falava na Câmara de Viana do Castelo, no final de uma reunião de cerca de quatro horas no âmbito do Roteiro MAI, disse que o Governo fez, nesta legislatura, “o caminho que era indispensável para pôr a descentralização na agenda”. “Passos mais alargados do programa de descentralização, designadamente a um nível supramunicipal, estarão em debate, certamente, até outubro e os portugueses tomarão as suas decisões”, sustentou.

Eduardo Cabrita disse tido um retorno de “profunda confiança na importância processo de descentralização, admitindo “níveis diferentes de concretização, de acordo com as opções democráticas de cada município”. “Temos um processo que é gradual, que vai até 2021. Houve municípios que assumiram já exercer, este ano, praticamente todas as competências de descentralização. Outros estão a preparar a assunção dessas competências para 2020 ou 2021. Fundamentalmente trocamos impressões sobre aspetos concretos, duvidas que são legítimas num processo exigente”, explicou.

O ministro da Administração Interna adiantou que, “dos 23 diplomas setoriais que concretizam a Lei Quadro, 21 deles já foram publicados em Diário da República”. “É o maior processo legislativo desta legislatura. É hoje possível dizê-lo. Uma Lei-quadro, uma Lei de Finanças Locais renovada, que aumenta os recursos das autarquias, e 23 diplomas dos quais 21 estão já, neste momento, publicados. Este processo é gradual e é indispensável para que se vá mais além em domínios em que a relação de proximidade é essencial para a boa gestão dos recursos públicos“, adiantou.

Os dez concelhos que integram a CIM do Alto Minho aceitaram a transferência de duas competências relativas à “promoção turística interna sub-regional, em articulação com as Entidades regionais de Turismo” e a “projetos financiados por fundos europeus e dos programas de captação de investimento”.

Hoje, no final da reunião com Eduardo Cabrita, o presidente da CIM do Alto Minho, José Maria Costa, adiantou que aquela estrutura aceitou a descentralização de competências em mais duas áreas, da saúde e da educação. O socialista, que preside à Câmara de Viana do Castelo, defensor da regionalização, disse tratar-se de “um debate para o futuro”.

É um processo que tem a ver com outras dinâmicas, nacionais. A regionalização pode ser muito útil para melhorar as condições de desenvolvimento em todas as áreas do país, mas será um debate para o futuro. O processo de descentralização, em curso, permite prestar melhor um serviço aos cidadãos, fazendo melhor e com menos dinheiro”, referiu.

O Governo aprovou 22 diplomas setoriais da descentralização — num processo gradual entre 2019 e 2021, ano em que as competências se consideram transferidas –, encontrando-se 17 publicados em Diário da República. O Presidente da República promulgou, em 21 de maio, o “diploma que concretiza o quadro de transferência de competências para os órgãos municipais no domínio das áreas portuário-marítimas e áreas urbanas de desenvolvimento turístico e económico não afetas à atividade portuária”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Descentralização está na agenda e regionalização será debatida até outubro, diz ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião