Lista de espera no SNS? CDS propõe desvio para privados na 1.ª consulta de especialidade

A proposta do CDS prevê que os utentes do SNS possam fazer a primeira consulta de especialidade no setor privado ou social, caso o tempo máximo de espera seja ultrapassado.

O CDS propõe o privado como solução para reduzir listas de espera na saúde. Na primeira proposta do programa para as legislativas deste ano, os democratas-cristãos sugerem que quando um utente do Serviço Nacional de Saúde (SNS) está à espera para ter a primeira consulta médica de especialidade, possa optar entre prestadores privados e sociais.

O plano do CDS prevê que sejam fixados tempos máximos de espera para o atendimento. Se o Estado não conseguir dar resposta, “o doente pode escolher ser atendido num hospital do setor social ou privado”, refere o partido na proposta enviada às redações. Esta medida é direcionada apenas para a primeira consulta de especialidade, sendo que o objetivo é “potenciar o diagnóstico precoce”.

No que diz respeito aos custos da medida, o CDS defende que “do ponto de vista plurianual não significa um aumento de despesa“, já que o SNS deixa de realizar a consulta. Acrescenta ainda que a redução das listas de espera permite uma “otimização dos recursos”.

Do ponto de vista anual, “é uma antecipação da despesa que seria sempre realizada”, justificam. Os hospitais privados ou sociais escolhidos receberiam de acordo com a tabela de preços em vigor. Já as despesas de transporte seriam asseguradas pelo SNS quando a situação clínica o justifique e sendo comprovada insuficiência económica.

Para identificar os sítios com mais disponibilidade, os hospitais privados e sociais teriam de aderir a uma plataforma de marcação, onde o médico de família agendaria a consulta. Realizado o atendimento, o doente regressaria ao SNS. O partido liderado por Assunção Cristas deixa ainda a ressalva de que o sistema proposto não é ativado se não existirem listas de espera.

Uma “medida radical”?

Antecipando a caracterização da medida como radical, o CDS aponta que estaria a “importar o mesmo modelo que foi adotado para as cirurgias e que tem provado bem“. Já existe também atualmente um mecanismo para dinamizar as listas de espera, chamado de Siga SNS, mas centra-se na rede pública.

No caso das cirurgias, o hospital encaminha o doente para outra unidade pública ou social quando não consegue dar resposta. Se estas instituições também não tiverem disponibilidade para realizar a cirurgia, é enviado para o doente um vale cirurgia, com uma lista de unidades públicas, privadas ou sociais, que tenham convenção ou protocolo com o SNS, permitindo ao utente escolher a entidade onde será submetido ao ato cirúrgico.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lista de espera no SNS? CDS propõe desvio para privados na 1.ª consulta de especialidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião