Hospitais devem 855 milhões. Este é o ranking dos dez mais endividados

O Governo aprovou um plano de pagamento das dívidas do SNS a fornecedores externos e internos. No final de 2018, as dívidas somavam 855 milhões de euros.

O Governo aprovou um plano de pagamento de dívidas dos hospitais aos fornecedores. No final do ano passado, as dívidas chegavam a 855 milhões de euros e serão pagas ao longo de cinco anos, com o fim previsto para 2023. O Executivo determinou que serão pagas em primeiro lugar as dívidas aos fornecedores externos.

No total serão pagos 855 milhões de euros de dívidas acumuladas por uma lista de 37 hospitais. O despacho publicado esta quarta-feira em Diário da República revela como este valor em dívida se distribui por hospital. O ECO preparou um ranking dos hospitais com maiores valores em dívida.

Os 10 hospitais com mais dívida a 31 de dezembro de 2018

Apesar de a lista dos hospitais com dívidas ser grande, os dez com maiores dívidas acumulam uma importante parcela dessa dívida: estes somam 649,4 milhões de euros o que equivale a 75% do total de dívida.

O Centro Hospitalar Lisboa Norte, onde estão o Santa Maria – o maior hospital do país – e o Pulido Valente, é aquele que tem maior dívida total, de 187,7 milhões de euros, distribuídos por fornecedores externos (112,6 milhões de euros) e fornecedores dentro da própria Administração Central.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Hospitais devem 855 milhões. Este é o ranking dos dez mais endividados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião