Bruxelas volta a alertar Portugal para reduzir dívidas em atraso dos hospitais

O país tem injetado capital para reduzir as dívidas dos hospitais, mas o volume destas continua a apresentar-se como uma preocupação para a Comissão Europeia.

Portugal injetou 1.400 milhões de euros para reduzir dívidas dos hospitais aos fornecedores no ano passado, e este ano já voltou a reforçar o capital dos hospitais em 282 milhões. No entanto, a Comissão Europeia insiste novamente na necessidade de diminuir os pagamentos em atraso na saúde. O Governo aprovou recentemente um plano com este objetivo.

Entre as recomendações específicas para Portugal no âmbito do semestre europeu, Bruxelas aponta a necessidade de “melhorar a qualidade das finanças públicas, priorizando os gastos que aumentam o crescimento, e ao mesmo tempo fortalecer o controlo geral da despesa, a eficiência de custos e a orçamentação adequada, com foco especial na redução duradoura das dívidas dos hospitais“.

A Comissão Europeia sublinha que as “dívidas hospitalares persistentemente altas resultam de planeamento e implementação do Orçamento inadequados e de fragilidades no controlo das contas e na gestão”. No entanto, reconhece que foi delineado um novo programa para 2019.

O Governo acabou de traçar um plano mais alargado de pagamento de dívidas dos hospitais aos fornecedores, que serão pagas ao longo de cinco anos, até 2023. No total serão pagos 855 milhões de euros de dívidas acumuladas por uma lista de 37 hospitais, que inclui pagamentos tanto a fornecedores externos como entre serviços da própria administração central.

Bruxelas deixa o alerta de que “a capacidade deste programa para abrandar a acumulação de dívidas ​hospitalares a curto prazo e levar a uma redução do seu stock global depende, fundamentalmente, da sua implementação oportuna e eficaz”. A instituição europeia relembra ainda que as diminuições temporárias nas dívidas em 2018 “resultaram essencialmente de medidas extraordinárias consideráveis”.

Em abril deste ano, as dívidas a fornecedores externos somavam 587,1 milhões de euros. No plano aprovado de liquidação de pagamentos em atraso no Serviço Nacional de Saúde, o Governo prevê pagar este ano 445 milhões de euros a fornecedores externos, a maior parte da dívida que será saldada até 2020.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas volta a alertar Portugal para reduzir dívidas em atraso dos hospitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião