Trânsito cortado e alterações nos transportes. Saiba como chegar às festas de Santo António

A noite mais movimentada do ano vai obrigar a mudanças no trânsito de Lisboa. Há ruas cortadas, autocarros suprimidos e reforço no metro. Sabe qual é a melhor forma de chegar ao Santo António?

Noite de Santo António, em Lisboa, é sinónimo de sardinhas, marchas, multidões e trânsito. Algumas ruas da capital vão estar cortadas devido às festas que obrigam a que haja uma adaptação. Nos bairros de Alfama, Bica, Graça e Santos a circulação pode ser difícil durante todo mês, mas há ruas que vão estar cortadas esta quarta-feira a partir das 18h00 e das 20h00. Veja o mapa:

Os condicionamentos de trânsito na Avenida da Liberdade vão acontecer por fases até ficarem os acessos completamente cortados. A partir das 17h30 ficará interrompida a circulação na avenida até à interceção com a rua Alexandre Herculano e os Restauradores. Uma hora mais tarde fica impedida a passagem para o Marquês de Pombal. A partir das 21h00, a zona do Rossio ficará também interdita a automóveis. O trânsito regressa à normalidade às 8h00 “desde que estejam reunidas as condições de segurança”, referiu a PSP em comunicado de imprensa.

A realização dos casamentos de Santo António pode também afetar a Praça do Município e a zona da Sé.

Autocarros e elétricos vão ser afetados

A Carris alerta que haverá perturbações na circulação de autocarros, sendo que o ascensor da Bica será suprimido. As principais alterações dos percursos são feitas nas zonas da Baixa ao Castelo, Sapadores, Rua do Arsenal, Rua dos Caminhos de Ferro, Avenida da Liberdade e Marquês de Pombal. Ao todo 31 carreiras vão ser afetadas. A partir das 18h00 a circulação dos elétricos 12, 24, 25 e 28 será suprimida.

Durante a noite, os autocarros da Rede da Madrugada circulam em horário normal, a partir das 0h30. Contudo, as carreiras 202, 206, 207, 208 e 210 vão ter alterações no percurso.

Linha Azul e Verde com reforço

O Metropolitano de Lisboa vai alargar também o funcionamento durante a madrugada. O principal reforço será feito na linha azul e verde. O serviço vai contar com seis carruagens e a circulação será feita da seguinte forma:

  • A Linha Azul vai estar a funcionar até às 3h00. Com exceção da estação da Avenida, que por razões de segurança encerra às 00h30.
  • A Linha Verde conta com todas as estações abertas até às 3h00.
  • A Linha Amarela e Vermelha vão funcionar com serviço normal até à 1h00.

As linhas do metro voltam a abrir, como todos os dias, às 6h30.

Comboios vão circular durante a noite

A CP vai manter os comboios a circular durante a madrugada em três linhas urbanas:

  • Rossio – Sintra: 1h30; 2h00; 3h00; 3h30; 4h00; 4h30; 5h00 e 5h30;
  • Cais do Sodré – Cascais: 2h30; 3h30 e 4h30;
  • Santa Apolónia – Azambuja: 1h30 e 3h30.

A Transtejo vai reforçar o serviço de transporte nas ligações fluviais entre o Barreiro e Cacilhas. Durante o dia de quinta-feira, feriado municipal de Lisboa, a empresa vai praticar o horário de feriado nos cinco trajetos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trânsito cortado e alterações nos transportes. Saiba como chegar às festas de Santo António

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião