Orey pede a obrigacionistas mais um ano para pagar juros

Em reestruturação, grupo ainda não conseguiu apresentar contas. Pede agora aos titulares de dívida para pagar juros só no próximo ano e ainda autorização para fazer novos adiamentos, se necessário.

A Orey Antunes vai pedir aos obrigacionistas o adiamento por um ano do pagamento de juros, que deviam ser pagos daqui a um mês. Os titulares de obrigações emitidas em junho de 2010, no valor de 30 milhões de euros, e que vencem em 2031 vai ser chamados a decidir no próximo mês se dão esse tempo à empresa, que se encontra em reestruturação.

“O Conselho de Administração deliberou solicitar a convocação de uma assembleia geral de titulares de obrigações da emissão de até 30.000.000 de euros de obrigações Best of Fixed Callable Notes due 2031 (as “Obrigações”) emitidas pela Sociedade, com vista à alteração dos termos e condições das Obrigações”, anunciou a Orey Antunes, em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A assembleia geral terá lugar no dia 6 de julho e tem dois pontos na ordem de trabalhos. O primeiro é “deliberar sobre o adiamento da data de vencimento e pagamento de juros das Obrigações de 8 de julho de 2019 para 8 de julho de 2020“.

Caso aceitem, os obrigacionistas não só dão luz verde ao adiamento como também o “reconhecimento e aceitação de que o facto de a emitente não efetuar o pagamento de juros nos 14 dias posteriores ao dia 8 de julho de 2019 não constitui um event of default“.

Além disso, a administração da Orey Antunes ainda pede aval para voltar a adiar esse pagamento. O segundo ponto dos trabalhos é a deliberação do “estabelecimento de um direito de a emitente adiar, por uma ou mais vezes, a data de vencimento e de pagamento de juros das Obrigações para qualquer data futura (desde que seja uma data de pagamento de juros) até à data de vencimento das Obrigações (8 de Julho de 2031)”.

A cotada liderada por Duarte D’Orey tem levado a cabo um processo de recuperação e reestruturação para fazer face aos prejuízos. Após ter diversificado atividade em 2004, a sociedade especializada em transportes e logística abandonou o setor financeiro em agosto do ano passado, tornando independente a Orey Financial.

Devido às mudanças no grupo, a apresentação dos resultados de 2008 já foram adiados duas vezes. “Não foi possível concluir os trabalhos de elaboração dos documentos de prestação de contas relativas ao exercício de 2018”, comunicava a empresa ao mercado no início de junho. “A Sociedade Comercial Orey Antunes SA pretende proceder à divulgação dos referidos documentos previsivelmente até 28 de junho“, acrescentou.

Os números que já são conhecidos mostram que a Orey apresentou um prejuízo de 3,34 milhões de euros no primeiro semestre de 2018. O valor compara com um lucro de 351 mil euros registado no mesmo período do ano anterior, com as unidades em continuação a apresentarem um resultado negativo de 422 mil euros. As atividades descontinuadas (incluindo a Orey Financial e o segmento de investimentos alternativos no Brasil) tiveram um impacto negativo de 2,92 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Orey pede a obrigacionistas mais um ano para pagar juros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião