Verdadeiro ou falso? Startup portuguesa ataca produtos contrafeitos com uma app

Montrra desenvolveu um sistema eletrónico anti-contrafação. A startup portuguesa quer revolucionar o controlo das contrafações e impossibilitar a entrada de produtos de marca falsificados no mercado.

A Monttra, uma startup portuguesa, desenvolveu uma nova tecnologia capaz de detetar se determinado produto é genuíno ou não. Assente numa mega plataforma de dados e numa aplicação digital, a tecnologia garante a autenticidade do produto ao longo de toda a cadeia de distribuição, até chegar ao cliente final.

A startup quer revolucionar o controlo das contrafações a partir de Vila Nova de Famalicão e impossibilitar a entrada de produtos de marca falsificados no mercado. E, ao contrário da oferta anti-contrafação disponível no mercado, não se propõe autenticar a qualidade da produção ou certificar a conformidade de uma peça ou produto de marca.

“Fazemos a diferença porque asseguramos a monitorização do processo de transmissão da propriedade, destaca Fernando Veloso, fundador da startup de Vila Nova de Famalicão. O sistema “permite aos produtores e às marcas conhecer em tempo real o percurso de cada item produzido até ao cliente final, contribuindo para o consumo responsável e em segurança e um controlo interno eficaz”.

A Monttra, startup portuguesa, desenvolveu uma nova tecnologia capaz de detetar a autenticidade de cada produto.

De acordo com o Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO), “em Portugal, as perdas de vendas no setor do vestuário, calçado e acessórios devido à contrafação rondarão os 635 milhões de euros por ano, ou seja, cerca de 14% das vendas”.

De forma combater o impacto da contrafação na economia a Monttra já a está a desenvolver, há oito meses, este sistema inovador que deverá estar acessível, de forma gratuita, no final deste mês, tendo sido apresentado durante a conferência “Contrafação: um negócio em que todos perdemos”, organizada pela Câmara Municipal de Famalicão.

A Monttra já tem o primeiro cliente, a Reguladora, que é o mais antigo fabricante de relógios da Península Ibérica, e está agora a fechar os primeiros contratos com operadores nacionais ligados à moda, vinhos, medicamentos, dermocosmética, relojoaria, peças para automóveis e artistas plásticos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Verdadeiro ou falso? Startup portuguesa ataca produtos contrafeitos com uma app

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião