Verdadeiro ou falso? Startup portuguesa ataca produtos contrafeitos com uma app

Montrra desenvolveu um sistema eletrónico anti-contrafação. A startup portuguesa quer revolucionar o controlo das contrafações e impossibilitar a entrada de produtos de marca falsificados no mercado.

A Monttra, uma startup portuguesa, desenvolveu uma nova tecnologia capaz de detetar se determinado produto é genuíno ou não. Assente numa mega plataforma de dados e numa aplicação digital, a tecnologia garante a autenticidade do produto ao longo de toda a cadeia de distribuição, até chegar ao cliente final.

A startup quer revolucionar o controlo das contrafações a partir de Vila Nova de Famalicão e impossibilitar a entrada de produtos de marca falsificados no mercado. E, ao contrário da oferta anti-contrafação disponível no mercado, não se propõe autenticar a qualidade da produção ou certificar a conformidade de uma peça ou produto de marca.

“Fazemos a diferença porque asseguramos a monitorização do processo de transmissão da propriedade, destaca Fernando Veloso, fundador da startup de Vila Nova de Famalicão. O sistema “permite aos produtores e às marcas conhecer em tempo real o percurso de cada item produzido até ao cliente final, contribuindo para o consumo responsável e em segurança e um controlo interno eficaz”.

A Monttra, startup portuguesa, desenvolveu uma nova tecnologia capaz de detetar a autenticidade de cada produto.

De acordo com o Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO), “em Portugal, as perdas de vendas no setor do vestuário, calçado e acessórios devido à contrafação rondarão os 635 milhões de euros por ano, ou seja, cerca de 14% das vendas”.

De forma combater o impacto da contrafação na economia a Monttra já a está a desenvolver, há oito meses, este sistema inovador que deverá estar acessível, de forma gratuita, no final deste mês, tendo sido apresentado durante a conferência “Contrafação: um negócio em que todos perdemos”, organizada pela Câmara Municipal de Famalicão.

A Monttra já tem o primeiro cliente, a Reguladora, que é o mais antigo fabricante de relógios da Península Ibérica, e está agora a fechar os primeiros contratos com operadores nacionais ligados à moda, vinhos, medicamentos, dermocosmética, relojoaria, peças para automóveis e artistas plásticos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Verdadeiro ou falso? Startup portuguesa ataca produtos contrafeitos com uma app

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião