Depois de Portugal, Correos investe 5,7 milhões para distribuir encomendas na China

Depois de ter comprado a portuguesa Rangel Expresso, a espanhola Correos vai criar uma nova empresa para distribuir encomendas na China.

Cerca de dois meses depois de ter adquirido 51% da Rangel Expresso, a espanhola Correos dá mais um passo na sua internacionalização. Desta vez em território asiático, onde vai investir mais de cinco milhões de euros na criação de uma empresa, em parceria com dois operadores, que controlará a recolha e o envio de encomendas provenientes da China.

É o segundo passo dado na expansão internacional da Correos, que vai investir 5,7 milhões de euros para a criação da nova empresa, em conjunto com a Kerry Logistics, operador logístico de referência internacional, e com o Grupo GFS, um dos principais operadores chineses, refere o Expansión (conteúdo em espanhol).

Juntos os três promotores vão instalar na China a nova fábrica de recolha e classificação de encomendas, a menos de 100 quilómetros de Hong Kong, considerada a área de comércio digital transfronteiriço mais ativa do mundo, dada a proximidade a aeroportos nacionais e internacionais com elevados volumes de tráfego.

A nova fábrica vai ser capaz de processar 500 mil encomendas por dia, o equivalente a 25 mil pacotes por hora, se as máquinas estiverem operacionais durante 20 horas por dia. O mercado chinês representa 50 milhões de encomendas por ano, o que explica o interesse da Correos neste território. Este negócio vai permitir à empresa espanhola ter acesso a um mercado que exporta mais de quatro mil milhões de pacotes anualmente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de Portugal, Correos investe 5,7 milhões para distribuir encomendas na China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião