Correos investem em Portugal. Querem entregar 35 milhões de encomendas em cinco anos

A empresa pública espanhola Correos, que está prestes a iniciar operações em Portugal, quer entregar 35 milhões de encomendas de ou para Espanha em cinco anos. Empresa promete investir mais.

À esquerda, Nuno Rangel (Rangel Expresso). À direita, Juan Quintana (Correos).D.R.

Só falta a aprovação final do regulador da concorrência para que o grupo Correos inicie operações em Portugal, passando a concorrer com os CTT no negócio da entrega de encomendas. A empresa pública espanhola de correio comprou 51% da Rangel Expresso por mais de 11,2 milhões de euros, para criar uma rede ibérica que dê resposta ao fluxo crescente de encomendas entre os países vizinhos, devido ao comércio eletrónico.

A nova empresa, Correos Express Portugal, vai empregar cerca de 160 colaboradores e usar as 12 instalações da Rangel Expresso tem no território nacional. A rede conta ainda com as outras 55 instalações que a Correos tem em Espanha. O objetivo com este negócio passa por entregar um total de 35 milhões de encomendas de ou para Espanha ao longo dos próximos cinco anos e um crescimento das vendas do grupo de 2,5 vezes.

Nos primeiros três anos vamos investir cerca de quatro milhões de euros, essencialmente em tecnologia.

Juan Manuel Serrano Quintana

Presidente executivo do grupo Correos

“Nos primeiros três anos vamos investir cerca de quatro milhões de euros, essencialmente em tecnologia”, disse Nuno Rangel, presidente executivo do grupo Rangel, numa conferência de imprensa esta quarta-feira, em Lisboa. Entre as prioridades está a automatização das instalações. Questionado pelo ECO sobre prazos para início oficial desta parceria, Nuno Rangel disse esperar que a aprovação da Autoridade da Concorrência (AdC) chegue até ao final de abril. Esta nova parceria promete duplicar a quota de mercado da Rangel Expresso dos atuais 6% para 12% até 2023, espera a companhia.

“Estamos a dar um passo importante e em tempo recorde. Tivemos muito pouco tempo”, afirmou Juan Manuel Serrano Quintana, presidente executivo da Correos. Sobre eventuais reforços no capital da Rangel Expresso após a compra dos 51%, o gestor espanhol disse apenas que, para já, não existem planos para “alcançar os 100%” de posição na empresa portuguesa. Como fator diferenciador da concorrência, a Correos Express Portugal promete rapidez: “Queremos ser a melhor empresa de entrega de encomendas em Portugal”, atirou.

O comércio eletrónico tem vindo a ganhar expressão no país, mas a tendência portuguesa é diferente da espanhola. Nuno Rangel explicou que, enquanto só 37% dos consumidores espanhóis compram fora do mercado doméstico, mais de 85% dos portugueses só fazem compras online lá fora. Espanha é, por isso, um mercado apetecível para o grupo Rangel: “O que nos agradou foi que a Correos quis um sócio”, disse. E numa mensagem indireta para a concorrência, reforçou: “A partir de agora, passamos a estar de igual para igual”.

(Notícia atualizada às 11h12 com mais informações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Correos investem em Portugal. Querem entregar 35 milhões de encomendas em cinco anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião