Dono da Altice compra Sotheby’s por 3,7 mil milhões de dólares

Patrick Draghi, colecionador e dono da Altice, lançou uma oferta pública de aquisição sobre a leiloeira. O empresário oferece um prémio de 61% face ao valor das ações.

A Sotheby’s tem um novo dono. A leiloeira foi comprada pela BidFair, uma das empresas de Patrick Drahi, colecionador de arte e dono da francesa Altice, num negócio avaliado em 3,7 mil milhões de dólares (3,3 mil milhões de euros).

Os termos do negócio, confirmado esta segunda-feira pela própria Sotheby’s, pressupõem uma oferta pública de aquisição, no âmbito da qual os acionistas irão receber 57 dólares, em dinheiro, por cada ação da leiloeira. Ou seja, um valor 61% superior ao preço a que encerraram na passada sexta-feira nos EUA (35,39 dólares).

A expectativa é de que o negócio seja fechado no último trimestre deste ano. “Esta aquisição proporcionará à Sotheby’s a oportunidade de acelerar o programa bem-sucedido de iniciativas de crescimento dos últimos anos num ambiente privado mais flexível”, disse o presidente executivo da Sotheby’s, Tad Smith. “Isso posiciona-nos muito bem para o nosso futuro e acredito firmemente que a empresa estará em excelentes mãos nas próximas décadas, tendo Patrick como dono”, acrescentou.

O anúncio deste negócio surge após um período em que as ações da leiloeira foram muito penalizadas. Nos últimos 12 meses, acumulam uma desvalorização de 40%.

Já Patrick Drahi, que controla a Meo em Portugal, disse que a “Sotheby’s é uma das marcas mais elegantes e inspiradoras do mundo”. “Como cliente e admirador de longa data da empresa, estou a adquirir a Sotheby’s juntamente com a minha família”, acrescentou o empresário numa nota citada pela Bloomberg.

A notícia do negócio e o preço oferecido levou as ações da Sotheby’s a dispararem. Na abertura de Wall Street valorizavam 57%, ficando bastante mais próximas do valor unitário oferecido por Patrick Drahi.

(Notícia atualizada às 14h42 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dono da Altice compra Sotheby’s por 3,7 mil milhões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião