Emprego vai crescer no próximo trimestre, sobretudo na região centro

  • Ricardo Vieira
  • 17 Junho 2019

Finanças, seguros, imobiliário e serviços são os setores que mais oferta de emprego vão gerar no terceiro trimestre do ano.

As projeções das empresas portuguesas antecipam a criação líquida de emprego (+12%) no terceiro trimestre do ano. O maior crescimento deverá registar-se no setor terciário, onde se prevê um aumento de 26% nos setores das finanças, seguros, imobiliário e serviços, com base na pesquisa da ManpowerGroup.

As grandes empresas devem manter-se como as principais impulsionadoras do crescimento do emprego no período entre julho e setembro, estimando um crescimento de 34%.

Os indicadores são também de subida para o setor dos transportes, logística e comunicações (+24%) e o da restauração e hotelaria (+25%), o que coincide com a altura do ano em que mais turistas visitam Portugal.

“Uma vez mais, a época de verão confirma-se como um dos períodos com mais fortes perspetivas de contratação por parte das empresas. Se a este contexto unirmos os reduzidos valores da taxa de desemprego atualmente em Portugal, torna-se claro como a atração e retenção de talento são desafios cada vez mais importantes para as empresas portuguesas. Conhecer as novas formas de relacionar-se e ser relevante para os candidatos, incorporar novas tecnologias em RH ao mesmo tempo que asseguramos a qualidade das interações humanas são fundamentais hoje para construir uma estratégia de êxito”, afirma Raúl Grijalba, mediterranean regional managing director da ManpowerGroup, citado em comunicado.

As intenções de contração são ainda favoráveis no setor da agricultura, florestas e pescas, no setor público bem como no setor da construção, com perspetivas de +8%, +10% e de +14% respetivamente. Mas ao comparar-se com o período homólogo do ano anterior, apesar de se perspetivar a criação de emprego, haverá quebra percentual em setores como comércio grossista, fornecimento de eletricidade, gás e água.

Em termos geográficos, a região centro do país apresenta a mais alta projeção de criação líquida de emprego (14%), seguindo-se a região norte e sul com um crescimento combinado de 10% (-5% no Sul em relação ao trimestre anterior).

O estudo trimestral da ManpowerGroup recolhe as intenções de contratação de 59 mil empregadores (625 em Portugal) em 44 países. Quando comparado com o trimestre anterior, os empregadores em 18 países e territórios relatam perspetivas de contratação mais fortes.

Japão, Croácia, Taiwan, Estados Unidos, Grécia e Eslovénia registam as intenções de contratação mais fortes, enquanto que as perspetivas de contratação mais fracas são relatadas na Hungria, Argentina, Itália e Espanha.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Emprego vai crescer no próximo trimestre, sobretudo na região centro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião