Emprego vai crescer no próximo trimestre, sobretudo na região centro

  • Ricardo Vieira
  • 17 Junho 2019

Finanças, seguros, imobiliário e serviços são os setores que mais oferta de emprego vão gerar no terceiro trimestre do ano.

As projeções das empresas portuguesas antecipam a criação líquida de emprego (+12%) no terceiro trimestre do ano. O maior crescimento deverá registar-se no setor terciário, onde se prevê um aumento de 26% nos setores das finanças, seguros, imobiliário e serviços, com base na pesquisa da ManpowerGroup.

As grandes empresas devem manter-se como as principais impulsionadoras do crescimento do emprego no período entre julho e setembro, estimando um crescimento de 34%.

Os indicadores são também de subida para o setor dos transportes, logística e comunicações (+24%) e o da restauração e hotelaria (+25%), o que coincide com a altura do ano em que mais turistas visitam Portugal.

“Uma vez mais, a época de verão confirma-se como um dos períodos com mais fortes perspetivas de contratação por parte das empresas. Se a este contexto unirmos os reduzidos valores da taxa de desemprego atualmente em Portugal, torna-se claro como a atração e retenção de talento são desafios cada vez mais importantes para as empresas portuguesas. Conhecer as novas formas de relacionar-se e ser relevante para os candidatos, incorporar novas tecnologias em RH ao mesmo tempo que asseguramos a qualidade das interações humanas são fundamentais hoje para construir uma estratégia de êxito”, afirma Raúl Grijalba, mediterranean regional managing director da ManpowerGroup, citado em comunicado.

As intenções de contração são ainda favoráveis no setor da agricultura, florestas e pescas, no setor público bem como no setor da construção, com perspetivas de +8%, +10% e de +14% respetivamente. Mas ao comparar-se com o período homólogo do ano anterior, apesar de se perspetivar a criação de emprego, haverá quebra percentual em setores como comércio grossista, fornecimento de eletricidade, gás e água.

Em termos geográficos, a região centro do país apresenta a mais alta projeção de criação líquida de emprego (14%), seguindo-se a região norte e sul com um crescimento combinado de 10% (-5% no Sul em relação ao trimestre anterior).

O estudo trimestral da ManpowerGroup recolhe as intenções de contratação de 59 mil empregadores (625 em Portugal) em 44 países. Quando comparado com o trimestre anterior, os empregadores em 18 países e territórios relatam perspetivas de contratação mais fortes.

Japão, Croácia, Taiwan, Estados Unidos, Grécia e Eslovénia registam as intenções de contratação mais fortes, enquanto que as perspetivas de contratação mais fracas são relatadas na Hungria, Argentina, Itália e Espanha.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Emprego vai crescer no próximo trimestre, sobretudo na região centro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião