Rio pede “justiça mais célere e mais capaz” em casos como o da CGD

  • Lusa
  • 17 Junho 2019

Presidente do PSD diz que foram cometidos "erros, provavelmente com dolo, por pessoas que ganhavam milhares e milhares de euros, porque a sua responsabilidade era muita".

O presidente do PSD defende uma “justiça mais célere e mais capaz no julgamento e na condenação” de casos como o da Caixa Geral de Depósitos (CGD), cuja recapitalização e gestão são objeto de inquérito parlamentar.

“Não vejo nenhuma acusação seguir para tribunal, nenhuma sentença, nenhuma condenação de casos muito, muito graves. Penso que a justiça devia ser mais célere, mais capaz na condenação e no julgamento destes casos, porque, estes sim, todos os portugueses pagaram milhões de euros em impostos para salvar. Nem é bem salvar, é dar um jeito na banca”, afirmou Rui Rio, em Viana do Castelo, à margem do lançamento do livro “E agora, Portugal? – Tribuna Social”, do ex-deputado Eduardo Teixeira.

Questionado sobre o trabalho da comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão do banco público, o líder social-democrata disse terem sido cometidos “erros, provavelmente com dolo, por pessoas que ganhavam milhares e milhares de euros, porque a sua responsabilidade era muita”.

“Afinal qual era a sua responsabilidade [dessas pessoas que ganhavam milhares]? Foi a mesma do porteiro que ganhava 700 ou 800 euros por mês? Isto não é justo. Isto sim, penso que todos os portugueses estão desejosos que haja julgamento justo, em tribunal, sobre esta matéria”, sustentou.

Rui Rio acrescentou que “muitos administradores” da banca atuaram com uma “leviandade absolutamente inqualificável”

“Podemos fazer as comissões de inquérito todas que temos vindo a fazer – e bem -, mas para mim é evidente que as administrações dos diversos bancos, não todos, mas muitos administradores da banca, há uns anos atrás, tiveram uma leviandade absolutamente inqualificável que colocou Portugal e os portugueses nesta situação de ter de pagar milhões e milhões”, destacou.

À pergunta se a “leviandade” na banca já terminou, Rio respondeu: “Espero que sim. Pelo que se nota hoje, dá ideia de que sim, mas depois só se sabe os resultados passado muito tempo. Tenho consciência que os atuais administradores dos diversos bancos terão aprendido com o que os outros de mal fizeram”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio pede “justiça mais célere e mais capaz” em casos como o da CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião