Draghi “oferece” às famílias seis meses extra de juros negativos na casa

O BCE acenou com mais estímulos, admitindo mesmo uma descida das taxas. No mercado, os juros afundam, levando os indexantes dos créditos para a casa para terreno negativo até ao final de 2023.

Mário Draghi não está para “meias medidas”. Perante sinais de enfraquecimento da economia do euro, o presidente do Banco Central Europeu (BCE) admitiu avançar com novos estímulos, incluindo descer juros. As palavras do italiano no Fórum do BCE, em Sintra, tiveram um impacto quase automático nos mercados, puxando pelas bolsas e arrastando o euro. Mas também trouxeram boas notícias para as famílias que no espaço de poucas horas “ganharam” seis meses extra de juros negativos no crédito da casa.

“Na ausência de melhorias, de tal forma que o regresso sustentado da inflação à nossa meta é ameaçado, serão necessários estímulos adicionais”, começou por dizer Draghi num discurso nesta terça-feira, acrescentando que “mais cortes nas taxas de juro e outras medidas” fazem parte do leque de instrumentos que o BCE está disposto a assumir.

O mercado não hesitou e não tardou em incorporar o sinal dado pelas palavras de Mário Draghi. Os futuros das Euribor, as taxas de referência para a grande maioria dos empréstimos para a casa em Portugal, que tendem a acompanhar o movimento dos juros do BCE, afundaram ainda mais, prolongando no tempo o alívio dos encargos das famílias portuguesas com a prestação do crédito.

Evolução dos futuros da Euribor a 3 meses

Fonte: Reuters

O movimento foi de tal forma intenso que os futuros da Euribor a três meses — indexante de referência para cerca de metade dos créditos à habitação existentes em Portugal — estenderam em seis meses o período em que apontam para que os juros se mantenham em terreno negativo.

No passado dia 17 de junho, véspera do discurso de Mário Draghi, os futuros para a Euribor a três meses assumiam que esse indexante ficasse positivo em junho de 2023. Um dia depois, e após as declarações de Mario Draghi, o mercado adiou esse cenário para o final daquele ano.

O mercado aponta mesmo para que aquele indexante se possa tornar ainda mais negativo, para assumir daqui a um ano, em junho de 2020, o mínimo de -0,495%. Só a partir daí prevê uma inversão gradual do rumo dos juros para esses assumirem pela primeira vez valores positivos em dezembro de 2023, nos 0,05%.

A confirmar-se essa expectativa, as famílias portuguesas poderão contar assim com mais quatro anos e meio de juros negativos no crédito à habitação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Draghi “oferece” às famílias seis meses extra de juros negativos na casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião