“Cativações são um paradigma falido e ineficiente”, diz Rui Baleiras

  • ECO
  • 24 Junho 2019

Para o coordenador da UTAO, o problema base é a inexistência de gestão das finanças públicas. Defende que se deve evoluir para "um modelo de gestão descentralizada".

O coordenador da Unidade Técnica de Apoio Orçamental defende que as cativações são, “de certa forma, um exercício de ficção orçamental”. Rui Baleiras vai mais longe e defende que se trata um paradigma que “está falido”, “é mau” e ineficiente”.

“É um paradigma em que vivemos há décadas, mas já demonstrou, à saciedade, que está falido. Quer dizer que é mau, é ineficiente e, em larga medida, explica porque temos sido sempre deficitários”, diz Rui Baleiras em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago) e à Antena 1.

Para o coordenador da UTAO, o problema base é a inexistência de gestão das finanças públicas e lembra que “as cativações não são a única forma de racionar a tesouraria”. “O que temos é um controlo da tesouraria da Administração Central. Raciona-se a tesouraria. Porque a contabilidade é de caixa. As cativações são um instrumento de racionamento da tesouraria mas há outros. A dotação provisional que está no Ministério das Finanças também”, acrescenta.

Rui Baleiras defende que o caminho para o qual se deve evoluir é para “um modelo de gestão descentralizada e responsabilizada com os ministros setoriais, de médio prazo, com contabilidade orçamental, financeira e analítica”. Uma opinião partilhada, garante, por todos os deputados que aprovaram a tal lei de enquadramento orçamental.

E porque não se avança? “Porque não existe uma consciência suficientemente generalizada nos políticos” e porque “não dá soundbytes, não dá dividendos políticos no final do ano”. “É uma reforma de Estado, é uma reforma para décadas e é por isso que, tal como noutras áreas estruturantes em que os benefícios vêm às pinguinhas durante décadas, os incentivos do mercado políticos não favorecem que os políticos se empenhem nelas. Depois não são recompensados no dia das eleições”, sublinha na Conversa Capital.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

“Cativações são um paradigma falido e ineficiente”, diz Rui Baleiras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião