Obrigatoriedade nos seguros é dinâmica

  • ECO Seguros
  • 27 Junho 2019

Dois especialistas brasileiros em seguros chamam a atenção para a necessidade de vincular a obrigatoriedade de um seguro às exigências da economia.

Assim como as normas técnicas, também a obrigatoriedade de alguns seguros se pode afastar do ‘estado da arte’. “Muitas vezes, há seguros obrigatórios que podem perder todo o seu sentido de proteção social em função dos avanços tecnológicos. E a recíproca também é verdadeira. Seguros que não são previstos como de contratação obrigatória pela lei revelam-se compulsivos por força da sua exigência concreta pela sociedade”, escrevem Ernesto Tzirulnik e Júlia Normande Lin no diário brasileiro Estado de S. Paulo. O primeiro é presidente do Instituto Brasileiro de Direito do Seguro, a segunda, é uma advogada especialista em Direito do Seguro .

Os autores do texto lembram que as empresas não conseguem hoje permanecer em bolsa se não segurarem o seu património, e, não o conseguindo segurar, correm o risco de sair da lista de empresas cotadas ou serem chamadas a honrar antecipadamente os contratos de financiamento de longo prazo “quando a celebração dos negócios tenha sido condicionada à continuidade do seguro dos interesses patrimoniais (ativos e responsabilidades) expostos a riscos”.

Quem não tem acesso a seguros pode ver bloqueados muito negócios, como é o caso, entre outros, “das participações em processos de compra de bens e serviços públicos e privados e das parcerias público-privadas (PPPs)”.

Os articulistas concluem que “a diferença, portanto, entre os seguros que se impõem na vida social e os seguros instituídos formalmente como obrigatórios pelo legislador, não é ontológica. Quando se fala em riscos que ameaçam atividades da mais alta relevância para o desenvolvimento económico e social de uma nação, em especial, a ténue distância entre os seguros lembrados pelo legislador e aqueles que se revelam impostergáveis não pode deixar de ser distinguida”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Obrigatoriedade nos seguros é dinâmica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião