Tribunal arresta casas de Joe Berardo

  • ECO
  • 27 Junho 2019

O tribunal arrestou dois apartamentos de Joe Berardo em Lisboa, no valor de quatro milhões de euros, avança a SIC. O arresto foi feito a pedido da Caixa Geral de Depósitos.

O tribunal arrestou dois apartamentos de Joe Berardo, em Lisboa, no valor de quatro milhões de euros, avança a SIC. O arresto foi feito a pedido da Caixa Geral de Depósitos (CGD), a quem o comendador deve mais de 300 milhões de euros.

Em causa está um apartamento na Lapa, avaliado em 1,5 milhões de euros, e que está no nome em nome da Atram, uma sociedade imobiliária criada por Joe Berardo. É também esta empresa que detém outro apartamento na Avenida Infante Santo, um T5 avaliado em 2,5 milhões de euros. O Correio da Manhã já tinha avançado que a Atram é presidida pelo próprio comendador, embora não seja acionista direto da sociedade.

De acordo com a SIC, os dois imóveis foram arrestados pelo Tribunal da Comarca de Lisboa para pagar as dívidas de Joe Berardo à CGD. Adiantou ainda que o tribunal usou um mecanismo legal pouco usual para avançar com o arresto, recorrendo à figura da desconsideração da personalidade jurídica coletiva para provar que os dois imóveis são efetivamente propriedade de Joe Berardo.

O tribunal fez a prova com base em documentos e testemunhos, como moradores dos prédios que garantiram a presença diária do comendador nos apartamentos. E considerou que Berardo transferiu o seu património para outras empresas com o objetivo de não pagar as dívidas.

O acórdão do tribunal tem 15 dias, acrescenta a SIC, adiantando que o comendador ainda não foi notificado desta decisão.

De acordo com o relatório da EY, duas sociedades de Berardo, a Fundação Berardo e a Metalgest, deviam à Caixa 320 milhões de euros no final de 2015.

No passado dia 20 de abril, CGD, BCP e Novo Banco entregaram uma ação executiva no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa para cobrar dívidas de Joe Berardo de quase 1.000 milhões de euros.

(Notícia atualizada às 20h29)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal arresta casas de Joe Berardo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião