Programa de Arrendamento Acessível pode permitir poupar mais de 1.000 euros por ano

Um estudo da Century 21 concluiu que o Programa de Arrendamento Acessível pode ser benéfico, tanto para inquilinos como para os senhorios. As poupanças podem ultrapassar os 1.000 euros anuais.

Já arrancou o Programa de Arrendamento Acessível (PAA) do Governo, que recebeu 191 candidaturas só no primeiro dia, embora os proprietários interessados tenham sido poucos. Contudo, um estudo da Century 21 concluiu que esta iniciativa, que promete rendas 20% inferiores às praticadas pelo mercado, poderá permitir uma poupança superior a 1.000 euros, tanto para inquilinos como para proprietários.

“Apesar de este programa não ser uma solução para todos os proprietários nem para todos os inquilinos — em particular nas zonas de maior pressão turística –, esta simulação conclui que num número muito significativo de casos esta opção poderá ser vantajosa, tanto para os proprietários como para as famílias arrendatárias”, começa por referir o CEO da imobiliária, Ricardo Sousa, em comunicado.

O estudo feito com base na análise de 119 habitações com contratos de arrendamento celebrados este ano, concluiu que “em mais de metade dos casos, os proprietários teriam claros benefícios em aderir ao PAA”, mesmo tendo em conta o pagamento do seguro obrigatório. Em termos práticos, isto iria traduzir-se num benefício médio anual entre os 863 euros por ano no cenário mais penalizador e de 1.160 euros no cenário mais favorável.

Já do lado dos inquilinos, “e tendo em conta somente o universo de habitações com custos de seguros ao preço atual de mercado”, a adesão a este programa iria representar uma poupança média de 1.176 euros por ano por família.

Outro aspeto positivo do PAA passa pelo “estímulo à profissionalização do mercado de arrendamento em Portugal — que atualmente atinge níveis de informalidade muito preocupantes”, continua Ricardo Sousa.

Isto porque, explica, “a opção de formalização dos contratos de arrendamento com o PAA e os benefícios fiscais e de segurança são fatores que compensam abandonar a prática de não efetuar contratos de arrendamento formais e registados, o que aporta maior rigor e transparência ao mercado, aumenta a segurança para os proprietários e arrendatários, e promove a eficiência fiscal”, continua Ricardo Sousa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Programa de Arrendamento Acessível pode permitir poupar mais de 1.000 euros por ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião