Carros a gasolina batem vendas dos diesel. Elétricos brilham

  • ECO
  • 3 Julho 2019

Dos 128.595 veículos ligeiros de passageiros comprados até junho, 65.797 eram movidos a gasolina, o que representou um aumento de quase 21%.

Depois de terem batido as vendas de diesel no primeiro mês do ano, o que não acontecia há muitos anos, os automóveis a gasolina continuaram a acelerar. De tal forma que, no acumulado deste ano bateram os veículos com motores a gasóleo, alcançando uma quota de 51,2%.

Dos 128.595 veículos ligeiros de passageiros comprados até junho, 65.797 eram movidos a gasolina, o que representou um aumento de quase 21% face ao mesmo período do ano passado. Os modelos a diesel ficaram-se pelas 50.667 matrículas, uma quebra de 29,3% em termos homólogos, revelam os dados da ACAP avançados pelo Dinheiro Vivo.

Ao Jornal de Negócios (acesso pago), Helder Pedro reconhece a perda de peso das vendas de carros a gasóleo a um ritmo mais rápido que o antecipado, mas descarta o “efeito Matos Fernandes” — o ministro do Ambiente veio afirmar que os carros a diesel vão perder todo o valor em quatro a cinco anos.

Se o secretário-geral da Associação Automóvel de Portugal (ACAP) desvaloriza, o Grupo PSA faz exatamente o contrário. “Este foi um período de alguma perturbação, indecisão e adiamento das compras por parte dos clientes, designadamente após as declarações que o Sr. ministro do Ambiente proferiu no início do ano”, disse fonte oficial ao diário.

“Assistiu-se a uma descida muito abrupta do mix do diesel no primeiro trimestre, após as declarações do Sr. ministro”, remata o grupo que detém a Peugeot, Citroën e a Opel.

A quebra do diesel permitiu a liderança à gasolina, mas foram as vendas dos veículos movidos a fontes alternativas que dispararam. Segundo a ACAP, as vendas destes modelos representaram 9,4% das vendas no ano, com a Tesla a liderar nos elétricos após bater a Nissan.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carros a gasolina batem vendas dos diesel. Elétricos brilham

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião