Associação de hospitais privados preocupada com falta de tabelas da ADSE

A APHP escreveu às Finanças e à Saúde a manifestar preocupação pela à falta de uma nova tabela de preços da ADSE, dada "a incerteza de como será o futuro", mas ainda não recebeu resposta.

O mês de julho já arrancou, mas as novas tabelas da ADSE – prometidas para abril, maio e junho, continuam sem ser apresentadas. A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) remeteu uma carta às tutelas do subsistema de saúde dos funcionários públicos, os ministérios das Finanças e da Saúde, a expressar preocupação com a situação mas não obteve ainda resposta.

Continuamos exatamente no mesmo ponto que no final do mês passado, e no mês anterior a esse”, diz Óscar Gaspar, presidente da APHP, ao ECO. Foi em fevereiro que a presidente do Conselho Diretivo da ADSE, Sofia Portela, disse no Parlamento que as tabelas iriam ser apresentadas “dentro de muito pouco tempo”, recorda o representante.

Tendo em conta esta situação, “há cerca de duas semanas remetemos carta para a tutela, as Finanças e a Saúde, manifestando preocupação”, adianta Óscar Gaspar, mas a resposta ainda não chegou. A APHP não recebeu também nenhuma justificação por parte do Conselho Diretivo, pelo que não têm “conhecimento de alguma razão que levasse a um adiamento”.

“Precisamos de uma tabela completa, atualizada e equitativa“, reitera o presidente da associação que representa os prestadores privados. A tabela de preços que está atualmente em vigor “não está em condições de ser aplicada”, nomeadamente devido à questão das regularizações, aponta Óscar Gaspar, uma opinião que diz ser partilhada por todos. A nova tabela deverá ter preços fechados.

Sem este novo guia, apesar de “tudo a decorrer com normalidade” nos hospitais, persiste a incerteza de como será o futuro, alerta o presidente da APHP. Óscar Gaspar adianta que a associação tem recebido pedidos de informação dos associados relativamente a esta situação.

Questionado sobre a proposta apresentada pelo CDS, de alargar a ADSE aos trabalhadores do setor privado, o presidente da APHP diz que “por princípio”, não comentam propostas políticas, nomeadamente em ano eleitoral. Mesmo assim, relembra que no ano passado a associação fez um estudo sobre a sustentabilidade da ADSE e “entre as conclusões fica claro que deve haver rejuvenescimento” dos beneficiários, para equilibrar a pirâmide etária.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associação de hospitais privados preocupada com falta de tabelas da ADSE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião