Associação de hospitais privados preocupada com falta de tabelas da ADSE

A APHP escreveu às Finanças e à Saúde a manifestar preocupação pela à falta de uma nova tabela de preços da ADSE, dada "a incerteza de como será o futuro", mas ainda não recebeu resposta.

O mês de julho já arrancou, mas as novas tabelas da ADSE – prometidas para abril, maio e junho, continuam sem ser apresentadas. A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) remeteu uma carta às tutelas do subsistema de saúde dos funcionários públicos, os ministérios das Finanças e da Saúde, a expressar preocupação com a situação mas não obteve ainda resposta.

Continuamos exatamente no mesmo ponto que no final do mês passado, e no mês anterior a esse”, diz Óscar Gaspar, presidente da APHP, ao ECO. Foi em fevereiro que a presidente do Conselho Diretivo da ADSE, Sofia Portela, disse no Parlamento que as tabelas iriam ser apresentadas “dentro de muito pouco tempo”, recorda o representante.

Tendo em conta esta situação, “há cerca de duas semanas remetemos carta para a tutela, as Finanças e a Saúde, manifestando preocupação”, adianta Óscar Gaspar, mas a resposta ainda não chegou. A APHP não recebeu também nenhuma justificação por parte do Conselho Diretivo, pelo que não têm “conhecimento de alguma razão que levasse a um adiamento”.

“Precisamos de uma tabela completa, atualizada e equitativa“, reitera o presidente da associação que representa os prestadores privados. A tabela de preços que está atualmente em vigor “não está em condições de ser aplicada”, nomeadamente devido à questão das regularizações, aponta Óscar Gaspar, uma opinião que diz ser partilhada por todos. A nova tabela deverá ter preços fechados.

Sem este novo guia, apesar de “tudo a decorrer com normalidade” nos hospitais, persiste a incerteza de como será o futuro, alerta o presidente da APHP. Óscar Gaspar adianta que a associação tem recebido pedidos de informação dos associados relativamente a esta situação.

Questionado sobre a proposta apresentada pelo CDS, de alargar a ADSE aos trabalhadores do setor privado, o presidente da APHP diz que “por princípio”, não comentam propostas políticas, nomeadamente em ano eleitoral. Mesmo assim, relembra que no ano passado a associação fez um estudo sobre a sustentabilidade da ADSE e “entre as conclusões fica claro que deve haver rejuvenescimento” dos beneficiários, para equilibrar a pirâmide etária.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associação de hospitais privados preocupada com falta de tabelas da ADSE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião