CDS quer alargar ADSE aos trabalhadores do setor privado

A terceira medida do programa eleitoral do CDS prevê o acesso dos trabalhadores do privado à ADSE e regras fiscais iguais entre os descontos para a ADSE e os seguros privados de saúde.

O CDS quer alargar o subsistema de saúde dos funcionários públicos aos trabalhadores do setor privado para acabar com as diferença entre o setor público e o privado. Além disso, os centristas pretendem que os prémios dos seguros de saúde tenham o mesmo tratamento fiscal que as contribuições dos trabalhadores do Estado para a ADSE.

As duas ideias constituem a terceira medida do programa eleitoral que o CDS vai apresentar para as legislativas de 6 de outubro, depois da solução para as listas de espera no SNS e do travão aos “abusos” da Autoridade Tributária. “ADSE para todos e igualdade no tratamento fiscal dos seguros de saúde” é o nome pelo qual o CDS apresenta esta medida.

A medida surge da necessidade de não dividir o país entre público e privado, justificam os centristas. “Acreditamos num país em que os funcionários públicos e os trabalhadores do setor privado não vivem em sistemas distintos”, afirma o CDS.

Atualmente a ADSE é subsistema complementar e voluntário a que só têm acesso os trabalhadores da Administração Pública, explicam os centristas, acrescentando que além do Serviço Nacional de Saúde e dos seguros privados, os trabalhadores do Estado têm ainda acesso à ADSE. Esta é a diferença face aos trabalhadores do setor privado. “É uma discriminação que queremos eliminar”, dizem.

Além disso, os centristas explicam que as contribuições pagas pelos trabalhadores da Administração Pública para a ADSE “são dedutíveis à matéria coletável”. Já os prémios dos seguros de saúde “não o são”, entrando no bolo total de despesas de saúde que é possível deduzir ao IRS.

O CDS explica o que propõe:

  • “O alargamento da ADSE a todos, reconhecendo o seu papel complementar ao SNS e a sua mais valia que deve estar disponível independentemente de se ter um vínculo laboral do Estado”
  • “Dar o mesmo tratamento fiscal aos seguros privados em sede de IRS que é dado à ADSE permitindo a sua integral dedução”

No entanto, o alargamento ao acesso do privado não seria imediato. O CDS prevê a constituição de “uma comissão técnica para o estudo prévio do perfil e condições de acesso dos novos entrantes“, a negociação deste alargamento na concertação social e a alteração do Código do IRS.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS quer alargar ADSE aos trabalhadores do setor privado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião