Carlos Costa alerta para transferência de custos para gerações futuras

Ao refletir sobre o financiamento sustentável, tendo em conta fatores ambientais, o governador do Banco de Portugal avisa para os custos futuros. Ministro do Ambiente aponta que já há consequências.

Portugal deu mais um passo para chegar à neutralidade carbónica em 2050, ao determinar que o fator ambiental vai passar a ser tido em conta nas avaliações de risco dos bancos. O governador do Banco de Portugal alerta que estão a ser transferidos custos para gerações futuras, mas o ministro Matos Fernandes defende que estamos já a pagar os erros do passado.

“Estamos a transferir para gerações futuras custos que deveriam ser suportados pelas presentes”, disse Carlos Costa, numa conferência sobre o papel do financiamento sustentável, na Fundação Calouste Gulbenkian. O governador do Banco de Portugal (BdP) alertou assim para as consequências dos investimentos atuais, se não tiverem em conta os riscos ambientais.

Por outro lado, o ministro do Ambiente e da Transição Energética defende que a fatura já está a ser paga. “Nós hoje, como geração futura de alguém, estamos já a pagar erros do passado”. O ministro aponta que as desigualdades no mundo têm vindo a crescer, as perdas das seguradoras já aumentaram e as perdas económicas de fenómenos naturais extremos também cresceram.

Os prejuízos já não podem ser empurrados para gerações futuras“, rematou Matos Fernandes. Para o ministro responsável pela pasta do Ambiente, “seria muito mais difícil emigrar para Marte do que acautelar impactos” e, portanto, “há que financiar o verde o azul e o circular”.

O governador do BdP concorda com a necessidade de ponderar os riscos, tendo em conta que “cabe ao sistema financeiro um papel vital na canalização dos recursos para os que poupam e investem, e ter consciência de que a sua decisão não só tem impacto no retorno imediato mas na sustentabilidade”. Por estas razões, “o sistema financeiro tem de introduzir cada vez mais fatores de incerteza”, defendeu.

Entidades do setor financeiro comprometem-se a ter em conta o Ambiente

Neste evento foi assinada a Carta de Compromisso para o Financiamento Sustentável em Portugal, por cerca de duas dezenas entidades, desde bancos, ministérios do Ambiente, Finanças e Economia, Euronext Lisboa, reguladores e associações ligadas à banca, seguros e fundos a emitentes.

Matos Fernandes assina a Carta de Compromisso para o Financiamento Sustentável em Portugal.Hugo Amaral/ECO

João Matos Fernandes, o último a assinar o documento, relembrou na sua intervenção que o “Governo português foi o primeiro país a assumir o compromisso de neutralidade carbónica em 2050”, sendo que a carta se enquadra no roteiro para esta meta.

O ministro do Ambiente e Transição Energética adiantou ainda que este é um “desafio à escala mundial no qual Portugal não quer perder a liderança”. E não será tarefa de pequena. Para atingir o objetivo serão necessários cerca de um bilião de euros, acrescentou ainda.

Na conferência houve ainda espaço para comentários sobre a igualdade de género, já que entre todos os representantes das entidades, que subiram ao palco para assinar o documento, contava-se apenas uma mulher. Virginie Marchal, Senior Programme Manager na OCDE, foi a oradora que tomou o pódio após a assinatura e apontou que “também de devia falar sobre o equilíbrio de género no setor”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Costa alerta para transferência de custos para gerações futuras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião