BCE “tem de estar preparado” para puxar pela economia

Os membros do Conselho de Governadores concordam que o BCE "tem de estar pronto e preparado" a reagir aos aumentos da incerteza, mas ainda não sabem a que instrumentos recorrer.

O Banco Central Europeu (BCE) de forma geral está pronto para agir em relação à desaceleração da economia, mas os membros do Conselho de Governadores não chegaram a uma decisão sobre o que fazer. Os relatos da última reunião demonstram que o ambiente de “maior incerteza” levou os governadores a explorarem uma série de opções.

Houve um amplo consenso de que, face ao aumento da incerteza que provavelmente irá prolongar-se ainda mais no futuro, o Conselho do BCE tem de estar pronto e preparado para adotar uma postura ainda mais expansionista na sua política monetária“, refere o documento divulgado esta quinta-feira.

Após a reunião de dia 5 e 6 de junho, o presidente do BCE Mario Draghi anunciou uma revisão em baixa da projeção para o produto interno bruto da Zona Euro em 2020 e 2021. Anunciou igualmente que foram discutidas as possibilidades de cortar a taxa de juro de depósitos (atualmente no mínimo histórico de -0,40%) e relançar o programa de compra de ativos (cujas compras líquidas terminaram em dezembro e que está atualmente em fase de reinvestimentos).

O documento agora conhecido indica que as várias opções foram discutidas no encontro. “Houve também um amplo entendimento que era apropriada a atualização da política monetária face ao prolongamento das incertezas e implicações para o outlook de inflação”, acrescentam os relatos.

Uma semana depois do encontro, Mario Draghi usou o Fórum BCE, em Sintra, para clarificar a postura do banco central. O italiano garantiu que o BCE irá avançar com “estímulos adicionais” à economia caso o outlook não melhore.

Os mercados reagiram às palavras de Draghi com os juros das dívidas a afundarem. No caso de Portugal, a yield a dez anos caiu abaixo de 0,30% pela primeira vez, enquanto na Alemanha, o juro negociou abaixo de -0,40%. Esta quinta-feira, a yield das obrigações portuguesas negoceiam em 0,53%, enquanto a das Bunds alemãs em -0,27%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE “tem de estar preparado” para puxar pela economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião